Sistema Globo de Rádio anuncia encerramento das atividades de suas AMs em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte

São Paulo - Presença das marcas CBN e Rádio Globo ficarão restritas à faixa FM e também ao digital

 

O Sistema Globo de Rádio (SGR) emitiu ontem (1º) um comunicado para informar o encerramento das operações de suas estações AMs próprias, hoje instaladas em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Ainda sem data definida, a Globo argumentou que os produtos de rádio oferecidos pelo sistema (CBN e Rádio Globo) não são mais “suportados pela frequência AM”.

Serão encerradas: 1100 AM de São Paulo (Rádio Globo), 780 AM de São Paulo (CBN), 860 AM do Rio de Janeiro (CBN), 1220 AM do Rio de Janeiro (Rádio Globo) e 1150 AM de Belo Horizonte (CBN). As programações veiculadas na faixa AM nas estações próprias do SGR já contam com participação no dial FM dessas cidades.

A informação ainda não é oficial quanto ao destino das estações, mas a expectativa é de que as cinco rádios AMs geridas pelo SGR retornem à União, ou seja, sairão do ar, sem participarem do processo de migração AM-FM nessas praças (o processo de ida para o FM será via faixa estendida - saiba mais). Mas o SGR não informou o que acontecerá com os canais após o encerramento dos trabalhos atuais.

Acompanhe na sequência o comunicado divulgado pelo SGR.

 

CBN e Rádio Globo apenas em FM

Apesar da operação em 780 AM, a CBN participa do mercado de São Paulo em 90.5 FM desde a formação de sua rede, em 1991. Já a Rádio Globo chegou ao dial FM da capital paulista através de sua nova fase, em 94.1 FM (operação esta que recentemente completou 1 ano).

No Rio de Janeiro a Rádio Globo está no dial FM desde 2010, ocupando a sintonia 98.1 FM desde 2014. Já a CBN chegou ao dial FM via 92.5 FM a partir de 2005. E em Belo Horizonte, a CBN FM 106.1 era repetida em 1150 AM desde o ano passado, quando a Rádio Globo deixou o canal.

Vale lembrar que a expansão das duas redes (CBN e Rádio Globo) do SGR não contam mais com novas afiliações na faixa AM, sendo produtos direcionados para o dial FM. As afiliadas que já estavam na rede, mas ainda operam na faixa AM, foram mantidas (estações que pediram para participar do processo de migração AM-FM).

 

Fonte: Tudoradio.com

“A assinatura digital é a chave para nosso negócio”, afirma VP da RBS no evento da WAN-IFRA

O primeiro dia do evento Digital Media LATAM, em Bogotá, foi muito intenso, com palestrantes de peso no cenário internacional. Andiara Petterle, Vice-Presidente de Produtos e Operação do Grupo RBS, foi a primeira palestrante do Brasil e apresentou o case do Grupo RBS na construção de um público digital local e fiel.
Crédito:Alexandra Itacarambi
 
 
Com trajetória vinda do empreendedorismo de startups, Andiara mostra uma visão otimista e corajosa para o futuro do setor. 
  
No ano passado, começaram uma profunda integração entre as plataformas jornal, rádio e TV. Passaram a priorizar o consumidor no centro do negócio, e estruturaram uma estratégia de longo prazo, em que o futuro do negócio passa a ser a assinatura digital, tendo como principal target do grupo o consumidor local.
 
Em sua fala, apresentou cinco estratégias adotadas pela RBS:
 
1. Sustentar a edição impressa com uma margem positiva;
 
2. Construir um portfólio digital segmentado para cross-venda e aumentar a média do ticket; 
 
3. Acelerar o digital para aquisição de assinaturas;
 
4. Administrar a operação digital como uma startup de comércio digital (e-commerce);
 
5. Desenvolver canais de estratégias de venda com telecoms e universidades.
 
Numa palestra rica de dados e conteúdo, a VP da RBS destaca os aplicativos como uma ferramenta fundamental para as empresas de comunicação. O usuário do aplicativo é 21 vezes mais engajado do que o usuário do site e permanece conectado por mais tempo. E foi pela criação do app “Nas Ruas” que o Grupo RBS ganhou um dos prêmios do LATAM Digital Media 2018 na categoria de melhor campanha de marketing digital.
 
Para conferir os destaques do evento Digital Media LATAM 2018, acesse o site.
 

Governo de SP firma parceria para financiamento de rádios e TVs

O Governador João Doria assinou nesta quarta-feira (3), por meio da Desenvolve SP (Agência de Desenvolvimento Paulista), termo de financiamento com a Aesp (Associação das Emissoras Rádio e Televisão do Estado de São Paulo) para modernização de Rádios e TVs. A iniciativa, inédita no Estado, disponibilizará linhas de crédito para o setor, podendo beneficiar cerca de 400 emissoras paulistas.

“Rádio é um instrumento de informação extremamente democrático, de mobilização e aglutinação. Rádio acompanha as pessoas em todos os rincões do Brasil”, afirmou o Governador. “É importante que a tecnologia possa estar atualizada e que os veículos de comunicação possam continuar a servir bem a população de São Paulo”, acrescentou Doria.

O objetivo é possibilitar que as emissoras se adaptem às mudanças que estão ocorrendo no setor por meio do financiamento de projetos de investimento voltados à digitalização, convergência e novas possibilidades de transmissão de dados.

Como funciona

Com a parceria, a Desenvolve SP passa a disponibilizar duas linhas de crédito com recursos próprios e condições especiais para Rádios e TVs. Uma delas é a Linha Financiamento ao Investimento Paulista (FIP) que terá taxa de juros a partir de 4% ao ano (+ Selic). A outra é a chamada Linha Economia Verde (LEV), com taxa de juros a partir de 2% ao ano (+ Selic). Ambas contarão com prazos de até 120 meses para pagar, já incluída carência de até 30 meses.

“Por meio da Desenvolve SP, financiaremos obras de modernização, bem como a aquisição de máquinas e equipamentos e a taxa de conversão das rádios de AM para FM”, diz o presidente da agência, Nelson Antônio de Souza. Para ampliar os investimentos em energias renováveis no Estado, a Desenvolve SP financiará também a aquisição de placas solares. “A ideia é que as emissoras possam gerar sua própria energia, minimizando o impacto no meio ambiente”, complementa Souza.

As informações sobre todos os itens financiáveis por cada uma das linhas estão disponíveis no site da Desenvolve SP (www.desenvolvesp.com.br). O limite de crédito a ser financiado será de até R$ 30 milhões por emissora, mediante análise de crédito vigente da instituição e apresentação de garantias.

“Em pouco tempo de governo, o Governador João Doria resolveu um pleito da radiodifusão que se arrastava há quatro anos. É uma demonstração de sensibilidade e confiança no setor”, comentou Rodrigo Neves ao ser empossado presidente da Aesp.

Quem pode solicitar

Os financiamentos estão disponíveis a emissoras de rádio e TV com faturamento anual entre R$ 81 mil e R$ 300 milhões, instaladas no Estado de São Paulo, e que estejam regulares tanto no âmbito fiscal quanto no de crédito.

Os interessados devem apresentar um projeto de investimento detalhado, com informações precisas e consolidadas. Para auxiliar o empresário, a Desenvolve SP oferece roteiros e modelos de tabelas para elaboração dos projetos.

Fundo Garantidor

Além de taxas de juros e prazos mais competitivos, outra vantagem exclusiva oferecida pela Desenvolve SP é a possibilidade de contratação do Fundo de Aval do Governo do Estado (FDA) para composição de até 100% de garantias do financiamento.

“Trata-se de uma alternativa voltada, principalmente, para os pequenos e médios empresários que não possuem garantias reais suficientes para apresentar, mas que precisam de crédito para poder investir no seu negócio”, disse o presidente da agência estadual.

Ainda segundo o executivo, com o FDA, o empresário pode garantir integralmente ou complementar as garantias comuns exigidas pelo mercado na tomada de crédito, como alienação fiduciária de imóveis e equipamentos.

Sobre a Desenvolve SP

A Desenvolve SP é a instituição estadual que financia, por meio de linhas de crédito de longo prazo, o crescimento planejado das pequenas e médias empresas e municípios. Em 10 anos de atuação, a agência ultrapassou a marca de R$ 3,2 bilhões em financiamentos, atuando diretamente na geração de emprego e renda em todo o Estado.

Fonte: http://www.saopaulo.sp.gov.br

Evento apoiado pela FENAERT terá como tema “A Força da Tv e do Rádio Multiplataformas”

A cada dois anos, a Aerp e o Sert-PR, realizam o Congresso Paranaense de Radiodifusão. Um momento propício para a discussão de assuntos que
vão ao encontro de interesses dos radiodifusores e dos avanços do setor. O evento conta com o apoio da Fenaert. Em 2019, a vigésima quinta edição, que terá como tema “A Força da Tv e do Rádio Multiplataformas”, os participantes terão acesso às tendências, métodos, pesquisas e estudos realizados no meio rádio, além do acesso às ferramentas de gestão para uma aplicabilidade imediata de desenvolvimento profissional da sua equipe de colaboradores.

O 25º Congresso Paranaense de Radiodifusão reunirá empresários, radiodifusores e executivos para participar de discussões com profissionais do mercado publicitário, institucional e acadêmico sobre temas pertinentes e atuais do setor da radiodifusão.

Para o presidente da AERP, Alexandre Barros, fortalecer a relação entre os radiodifusores, em um evento como este, é uma maneira de unir esforços na proposição de novas ideias em sintonia com o futuro. “Entendemos que o Congresso é um espaço de construção e diálogo para encontrarmos caminhos comuns. Uma oportunidade para discutir temas que possibilitarão ao rádio continuar crescendo no mercado, conquistando novos espaços e se integrando às novas mídias no mesmo plano de igualdade”, destaca.

Informações e inscrições pelo link: https://congresso.aerp.org.br/inscricoes/ 

Justiça reafirma proibição de rádios comunitárias de veicularem propagandas comerciais

Uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina reafirmou a proibição que afirma que rádios comunitárias não podem veicular propaganda comercial e estão impedidas de captar apoio cultural fora do seu raio de abrangência, estipulado em 1 km no máximo.

Uma ação movida pela Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acaert) contra uma rádio comunitária da cidade de Videira resultou na proibição de veiculação, pela rádio, de propagandas de natureza comercial, entre outras determinações da Justiça.

A decisão levantou a discussão. De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Espírito Santo (Sertes), Fernando Machado, a decisão foi justa e cumpre a lei. "A decisão da Justiça é mais que acertada. É só observar a finalidade da concessão para rádios comunitárias e seguir o que determina a lei para não prejudicar a atividade dos radiodifusores", disse.

O assunto também foi comentado pelo diretor administrativo da Rede Nova Onda de rádios, Carlos Jansen. Para ele, as rádios comunitárias são muito importantes para os moradores da região onde estão inseridas, mas precisam se adequar ao que determina a lei.

"Existem muitas rádios comunitárias que trabalham à margem da legalidade, tanto no aspecto de cobertura do sinal – que é de 1km de raio – quanto no comercial, já que as comunitárias têm um série de restrições legais à comercialização de propaganda. As radio comunitárias, se operadas dentro da Lei, têm um importante papel social. O problema é que muitas delas são operadas como se fossem emissoras comerciais, o que é ilegal e desleal, como essas recentes sentenças vieram a corroborar", destacou.

"Muitos clientes – inclusive órgãos públicos – anunciam sem saber das limitações legais que existem às propagandas em veículos comunitários. Esse tipo de sentença reforça a difusão dessa informação", acrescentou Jansen.

Concorrência desleal

No caso ocorrido em Santa Catarina, a Acaert alegou concorrência desleal e entrou na Justiça contra a rádio comunitária. Segundo a associação, a emissora teria agido em desacordo com a legislação, ao distorcer o conceito de apoio cultural. Além disso, a associação afirmou que a rádio extrapolou o limite de abrangência e, por consequência, prejudicou as rádios comerciais regulares.

Além da proibição de veicular propagandas comerciais, a juíza de 1º grau determinou que as transmissões não ultrapassem o raio de 1 km em relação à antena e vedou a captação de apoios situados fora desse raio de cobertura. A pena para o descumprimento de cada uma dessas três determinações é de R$ 500 por dia.

A defesa da rádio comunitária recorreu. Alegou ser inconstitucional a lei que traz a definição de apoio cultural e disse que os elementos constantes nos autos eram inidôneos. "A rádio opera dentro da legalidade, inclusive no que diz respeito ao raio de sua abrangência, uma vez que o limite não se refere à cobertura da rádio, mas é o limite estipulado para impedir que outras emissoras instalem-se dentro daquele raio. Seria impossível, pelas leis da física, bloquear o alcance das ondas de rádio no limite informado", concluiu.

A desembargadora Denise Volpato, relatora da apelação, com base na Lei 9.612/98, explicou o que são as rádios comunitárias e como elas devem funcionar. Lembrou que o artigo 18 da referida lei admite patrocínio, sob a forma de apoio cultural, desde que restrito aos estabelecimentos situados na área da comunidade atendida.

Neste apoio, esclareceu Volpato, não podem ser propagados produtos, bens, preços, condições de pagamento, ofertas, vantagens e serviços que, por si só, promovam a pessoa jurídica patrocinadora. É permitida apenas a veiculação do nome e do slogan dos apoiadores. Para a relatora, ficou plenamente comprovado que a rádio de Videira veiculou propaganda comercial.

A desembargadora também rebateu o argumento de que não há tecnologia capaz de detectar ou limitar o alcance do sinal. "Diante da imposição de limitação do raio de transmissão das rádios comunitárias pelo Poder Executivo, é de se presumir que o dimensionamento da área de propagação das ondas é viável, mediante correta regulação da localização e potência dos equipamentos de transmissão".

Com isso, por unanimidade, a 6ª Câmara de Direito Civil manteve quase integralmente a decisão de 1º grau, mas fez uma mudança: concedeu o benefício da justiça gratuita à apelante. Além da relatora, participaram do julgamento os desembargadores Stanley Braga e André Luiz Dacol.

Fonte: Folha Vitória

Feira traz os mais modernos equipamentos de tecnologia audiovisual

Imagine poder conferir de perto os últimos lançamentos em produtos e serviços do mercado de mídia e entretenimento totalmente de graça? A Feira SET EXPO 2019 oferece essa oportunidade ao visitante do dia 27 ao dia 29 de agosto, no Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte, em São Paulo. No evento, o maior do setor de tecnologia, negócios de mídia e entretenimento da América Latina, mais de 150 empresas expositoras representando mais de 400 marcas nacionais e internacionais estarão presentes.

Abertura oficial SET EXPO

Além de conhecer o que há de mais novo neste mercado e ficar por dentro de oportunidades de serviços e novos negócios, os mais de 15 mil visitantes aguardados para a feira também poderão conhecer melhor os itens expostos participando de experiências com os equipamentos apresentados pelas marcas.

A Feira de Produtos e Serviços do SET EXPO reúne os principais representantes da indústria de mídia eletrônica. Durante a SET EXPO, as principais marcas trazem ao mercado brasileiro seus lançamentos e os usuários têm a oportunidade de conhecer as novas tecnologias e experimentar muitas destas novidades.” Neste ambiente de inovação, os grandes investimentos do mercado se consolidam anualmente no SET EXPO que é o mais importante hub de negócios desta indústria” afirma Cláudio Younis, vice-presidente da SET.

A Feira traz os principais fabricantes dos mercados nacional e internacional, que representam toda a cadeia produtiva da área audiovisual. Entre as que já confirmaram presença estão Canon, Fujifilm, Hitachi, Panasonic, Sony, Verizon Media, Datalink, Avicom, Embratel e Zoom. Assim como ocorre desde as primeiras edições, o Pavilhão Japonês também terá espaço para demonstrar todos os equipamentos de ponta desenvolvidos pelos asiáticos e que são novidade por aqui.

Pela terceira vez, a SET EXPO recebeu a certificação oficial do Departamento de Comércio dos Estados Unidos como uma excelente oportunidade de negócios, a Trade Fair Certification (TFC). A certificação reforça o apoio recebido de mais de 30 instituições nacionais e internacionais. Com base nos dados de 2018, a expectativa é que a edição 2019 da Feira movimente US$ 20 milhões.

Congresso

O SET EXPO reúne desde estudantes até especialistas da área, passando por empreendedores, líderes empresariais e startups de todas as partes do mundo.  O Congresso oferece mais de 56 painéis e 200 palestras que abordam temas já recorrentes do mercado; tais como produção; distribuição; tecnologia; transmissão; novas mídias e serviços, até inovações como as oportunidades de novos negócios que podem surgir com a tecnologia 5G, evolução de telas de consumo de mídia e protocolos de confiança (blockchains).

Apesar do tema geral em tecnologia e negócios, haverá subdivisões para discutir assuntos como rádio e áudio; contribuição AV e infraestrutura; inovação e tecnologias disruptivas; produção de conteúdo; distribuição audiovisual e regulatório e normatização.  Os inscritos no Congresso poderão conferir painéis tais como “O Futuro da Distribuição por Satélite”, “Evolução do Mercado de TV por Assinatura no Brasil”, “Cybersegurança”, “TV 3.0 Novos Modelos de Negócio”, “Combate à Pirataria Audiovisual”, “Medição de Audiência/Mídias Sociais’, “Big Data, Analytics e Novos Negócios do AV”, “Chatbots” e “e-Sports”. 

Inscrições

Os interessados em participar da SET EXPO já podem se inscrever. As credenciais para o Congressojá estão à venda e têm desconto progressivo dependendo do número de dias adquirido. Quem se inscrever até o final deste mês de julho poderá aproveitar a mesma tabela de preços cobrada em junho, com valores 10% menores. A entrada na Feira é grátis.

Sobre a SET

Fundada em 1988, a Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET) é uma associação sem fins lucrativos constituída por empresas,  profissionais e acadêmicos cujo principal objetivo é desenvolver o conhecimento técnico e científico em toda a cadeia de meios audiovisuais, desde a criação até a entrega. Ela representa o maior fórum para a discussão de padrões e tendências para os mercados de criação de conteúdo, gestão, produção e distribuição no Brasil.

 

SET EXPO 2019

Data: Feira: 27 a 29 de agosto | Congresso: 26 a 29 de agosto
Horário: Feira: 12h às 20h | Congresso: 9h às 18h  
Local: Expo Center Norte – Pavilhão Vermelho e Centro de Convenções
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 - Vila Guilherme - São Paulo- SP
Informações e credenciamento: www.setexpo.com.br

CENP considera Google, Facebook e similares como veículos de comunicação

O Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp) reconheceu, nesta terça-feira (16), as plataformas online Google, Facebook, Instagram e Youtube como veículos de comunicação ou divulgação. Na resolução o Cenp declara como veículos de divulgação ou comunicação, “para os efeitos da legislação, todo e qualquer ente jurídico que tenha auferido receitas decorrentes de propaganda”.

Para o presidente da Federação Nacional das Empresas de Rádio e TV (Fenaert), Guliver Leão, uma das questões mais importantes se refere ao fato de que, agora, os sites de busca, redes sociais, vídeo, áudio e display estarão sujeitos às regras do mercado publicitário, estabelecidas pelo Cenp em comum acordo com anunciantes, agências e veículos.

A resolução aprovada pelo Cenp afirma que a mudança foi feita atendendo ao artigo 4º da lei 4.680/65, que afirma: “são veículos de divulgação, para os efeitos desta lei, quaisquer meios de comunicação visual ou auditiva capazes de transmitir mensagens de propaganda ao público, desde que reconhecidos pelas entidades e órgãos de classe”.

Historicamente, Facebook e Google se definem como empresas de tecnologia, não mídia, o que as isentava, por exemplo, de responsabilidade sobre conteúdo. Há três meses, o Parlamento Europeu aprovou diretiva tornando as plataformas responsáveis pelo que os usuários publicam.

O Cenp é formado por organizações como Associação Brasileira de Anunciantes (ABA), Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) e Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). 

Entidades jornalísticas desenvolvem indicadores de confiança para distribuição algorítmica de conteúdo online

Um conjunto de indicadores de confiança do trabalho jornalístico para tempos de distribuição algorítmica de conteúdo online. Assim pode ser definida a Journalism Trust Initiative (JTI), ou Iniciativa de Jornalismo Confiável, que vem sendo desenvolvida desde 2018 pela Repórteres Sem Fronteiras (RSF), que atua na defesa e promoção da liberdade de informação, em parceria com a AFP (Agence France-Presse), a EBU (aliança de mídia de serviço público) e a GEN (associação internacional de editores-chefes). 

“Não é complicado definir os princípios básicos de jornalismo. Muitos códigos de ética existem desde que o jornalismo existe. O grande problema é a distribuição algorítmica do conteúdo online, porque amplifica tudo o que contraria essas normas profissionais, como sensacionalismo, rumores, falsidades e ódio. Portanto, as melhores práticas existentes do comércio jornalístico precisam ser aplicadas ao código da Internet. A JTI é o elo perdido entre princípios e métodos jornalísticos, de um lado, e algoritmos do outro”, sintetiza Christophe Deloire, secretário geral da Repórteres sem Fronteiras (RSF)

No início de julho foi lançada uma consulta pública sobre a JTI. Ela será realizada por três meses para contribuir com a elaboração das normas finais. A consulta pública também tem o intuito de estimular a conformidade de meios de comunicação, grandes e pequenos, com os indicadores de confiança do trabalho jornalístico, que incluem o uso de fontes confiáveis de informação e conduta ética e transparente dos jornalistas. A consulta pública será feita tendo como base material elaborado por 120 especialistas.

A versão preliminar da JTI está disponível para download no site do Comitê Europeu de Normalização (CEN). Ela contempla indicadores de transparência, profissionalismo e conduta ética. O documento também fornece um questionário e uma lista de verificação, a fim de informar a distribuição algorítmica de notícias.

Especialistas e público em geral podem dar opiniões e elaborar propostas específicas de emendas a cada uma das 16 cláusulas da JTI. Os meios para fornecer feedback incluem um formulário de comentários já disponível no site do CEN e um endereço de e-mail dedicado O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. Além disso, uma ferramenta online interativa será desenvolvida. Todos os comentários recebidos serão avaliados pelos comitês de redação da JTI e depois incorporados a uma revisão final.

Após a publicação final do documento da JTI no início de 2020, ele será disponibilizado a todos os tipos de meios de comunicação para auto avaliação e auditoria adicional opcional, a chamada avaliação de conformidade. Os conjuntos de dados resultantes devem informar melhor a tomada de decisões sobre distribuição e consumo de notícias, tanto por humanos quanto por algoritmos, mas também de gastos com publicidade.

 

 

Fonte: Portal Imprensa

Rádio segue consistente em seu consumo sendo uma boa aposta comercial em um mundo da mídia fragmentada

Uma série de pesquisas tem mostrado que o rádio está exibindo notável resiliência nesse cenário, inclusive em países onde o consumo de novas plataformas está acelerado. A Nielsen, um dos principais institutos de pesquisa do planeta e especializado em mídia nos Estados Unidos, afirma que "o meio permanece sólido e o uso é constante em todas as demonstrações". Isso é baseado no último levantamento feito sobre o consumo de mídia no país norte-americano, com o rádio permanecendo na dianteira do alcance semanal.

"Se você é uma grande marca que quer contar sua mensagem aos consumidores em larga escala, o alcance da mídia que é gratuita, como a TV ou o rádio terrestre, ainda é uma boa aposta", afirma a Nielsen em seu relatório. O consumo de mídia aponta que o rádio segue com 92% de alcance semanal, mantendo o número de levantamentos anteriores. A TV, por exemplo, mantém a tendência de queda, indo de 88% no primeiro trimestre de 2018 para 86% no primeiro trimestre de 2019.

A Nielsen afirma que o consumo de plataformas digitais é crescente, onde o uso de App / web em um smartphone cresceu para 80% entre todos os adultos nos Estados Unidos, ficando em terceiro lugar em todas as plataformas, enquanto tablet o alcance diminuiu de 47% para 45%. Já o alcance dos dispositivos conectados à Internet cresceu mais de ano para ano, subindo para 42%, de 35% no primeiro trimestre de 2018. Enquanto isso, o consumo de rádio FM/AM continua consistente.

 

Consumo de mídia por plataforma / Nielsen - primeiro trimestre de 2019

Consumo de mídia por plataforma / Nielsen - primeiro trimestre de 2019

Por tempo de consumo…

"Os consumidores estão se conectando a esse conteúdo fragmentado a taxas incomparáveis - mais de 11 horas por dia em telas e dispositivos", diz Peter Katsingris, vice-presidente sênior da Audience Insights, Nielsen. "Portanto, nunca foi tão crítico para os proprietários de conteúdo e profissionais de marketing reduzirem a desordem, e talvez até estimular alguma deslealdade, para garantir que suas ofertas se destacassem de todo o resto", afirma o gestor.

Nesse cenário, os adultos com mais de 18 anos sintonizam o rádio AM / FM por 1 hora, 42 minutos por dia, sendo quatro minutos a menos na comparação com um ano atrás. Porém, é importante considerar que a TV cortou 17 minutos do seu tempo de consumo, caindo de 4h10 no primeiro trimestre de 2018 para 3h53 no primeiro trimestre de 2019. 

O maior ganho de TSL ano após ano é app / web on um smartphone que adicionou mais 39 minutos a 3h01 em 2019. Embora parte disso seja certamente um crescimento orgânico, a Nielsen também fez mudanças metodológicas que contribuíram para o aumento, informa o portal especializado em radiodifusão norte-americana Inside Radio. O portal informa que o provedor de medição aumentou o tamanho da amostra de seu painel móvel, resultando em uma proporção maior de participantes mais recentes do que nos trimestres anteriores. Além disso, fez um aprimoramento técnico do medidor móvel em novembro de 2018, que capturou mais uso geral daquele ponto em diante.

É importante lembrar que, o avanço do tempo destinado à uma nova plataforma, não necessariamente pode causar novas reduções no consumo de outras. O levantamento apontou que os adultos norte-americanos consumiram, em média, 31 minutos a mais (por dia) de mídia do que no ano anterior. 

O áudio

Alcance das plataformas de áudio nos EUA / Nielsen - primeiro trimestre de 2019

Alcance das plataformas de áudio nos EUA / Nielsen - primeiro trimestre de 2019

 

A importância do rádio é reforçada no recorte que considera apenas o consumo de áudio. Os dados do primeiro trimestre da Nielsen mostram o rádio (92%) com quase o dobro do alcance do streaming de áudio (50%, contra 43% um ano antes). Nisso o levantamento informa que "o rádio continua sendo a peça central do universo do áudio, atingindo mais adultos americanos a cada 92% do que qualquer outra plataforma de mídia". 

Os novos dados da Nielsen também destacam o crescimento da transmissão de áudio com metade de todos os adultos usando também seus smartphones para transmitir áudio, um aumento de 16% em relação a 2018, enquanto 20% transmitem seus tablets (acima de 13%) e 16% ouvem rádio por satélite (um aumento de 14% no ano passado).

Também há um avanço dos sistemas de comando de voz por inteligência artificial, como Alexa, Siri e Google. As smart-speakers (caixas de som inteligentes) podem ser encontradas em 28% dos lares americanos, acima dos 22% em 2018. Já os assistentes por voz também estão sendo usados com mais frequência, sendo um recorde no consumo: 36% dos adultos usam um assistente de voz (Alexa da Amazon, Google ou a Siri da Apple).

“Os alto-falantes inteligentes estão ampliando o uso de áudio por meio de sua versatilidade, portabilidade e funcionalidade”, afirma o relatório. De acordo com o MediaTech Trender da Nielsen, quase todos os proprietários de smart speakers, 95%, ouvem música em seus dispositivos, um número que cresceu 90% no ano passado. E detalhe: o formato multimídia mais utilizado nesses dispositivos, conforme já destacado pelo tudoradio.com, é o streaming de rádios FM/AM para esse fim.

 

 

Fonte: AERP

EBC deve desligar todas suas rádios AM ainda esse ano

O jornalista Lauro Jardim noticiou na semana passada em sua coluna no O Globo que a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) tem a intenção de desligar a Rádio MEC AM 800 do Rio de Janeiro, emissora oficial considerada a mais antiga em funcionamento no Brasil, inaugurada em 20 de abril de 1923.

Segundo apurado pela redação do tudoradio.com, além da Rádio MEC AM, a EBC também tem a intenção de desligar as demais rádios AMs que estão sob seu controle. A informação não foi confirmada pela empresa estatal, mas circula nos "corredores" das rádios.

Ainda segundo o que foi levantado, a EBC vai manter as rádios que transmitem suas programações no dial FM. A empresa estatal deve divulgar uma nota confirmando o desligamento das rádios AMs nos próximos dias.

De acordo com as informações, além da Rádio MEC AM, a EBC deve desligar nos próximos meses a Rádio Nacional AM 1130 do Rio de Janeiro, a Rádio Nacional AM 980 de Brasília, Rádio Nacional AM 670 do Alto Solimões. Ainda não há data para os encerramentos.

 

Fonte: Tudo Rádio

Assine nossa Newsletter