Áudio digital contraria expectativas negativas de 2020 e avança 8,3% em consumo

Um relatório da eMarketer aponta que o áudio digital segue em forte expansão entre os consumidores adultos dos Estados Unidos. Em ano difícil devido à pandemia do novo coronavírus e de intensa concorrência pela atenção das pessoas, o áudio digital obteve um forte desempenho ao avançar 8,3% em consumo. Para 2021, a previsão também é positiva para esse formato de mídia, com a eMarketer apontando um aumento de 4,8% no mercado norte-americano. Streaming de rádio é considerado como áudio digital no levantamento.Acompanhe os detalhes:

O relatório, divulgado em fevereiro pela eMarketer, faz um 'mea culpa' indicando que a previsão inicial para o áudio era de algum declínio em 2020. “No início da pandemia, o áudio digital teve um grande sucesso no engajamento do usuário e na quantidade de tempo que os ouvintes gastaram com o meio. Muitos observadores, incluindo nós, previram resultados terríveis no curto prazo. No entanto, o resto do ano foi muito diferente do que nas primeiras semanas”, diz o texto divulgado pela eMarketer.

Era previsto um ligeiro declínio de 1% no tempo gasto com áudio digital para 2020, considerando a grande concorrência entre as plataformas. Mas o áudio avançou mais de 8% e a eMarketer destaca que o formato se adapta às mudanças de hábitos. "A lição do ano passado é que o áudio digital é muito mais resiliente e adaptável do que pensamos", afirma o relatório da eMarketer.

Conforme o podcast é mais consumido e deixa de ser uma novidade, a curva de crescimento do áudio digital está diminuindo, com mais de 100 milhões de norte-americanos relatando que ouvem esse tipo de plataforma. Mas os analistas apontam que está desacelerando "apenas marginalmente", sendo um movimento natural após a maior popularização desse formato de mídia.

Para se ter uma ideia desse consumo em 2020, o áudio digital foi responsável por 11% do tempo total de mídia por dia para adultos nos EUA. Já essa fatia deve avançar para 11,7% em 2021 (resultando em 1 hora e 34 minutos por dia), segundo previsões da eMarketer. 

"Mais de 70% dos adultos nos EUA ouviam conteúdo de áudio digital pelo menos uma vez por mês no ano passado e 91,7% disso ocorreu via celular", destaca a análise da eMarketer.

Com o avanço no consumo, a eMarketer também prevê que em 2021 um “marco importante” ocorrerá entre o áudio digital e o rádio AM / FM tradicional. Pela primeira vez, mais tempo será direcionado para o áudio digital do que o rádio tradicional, embora ligeiramente. Ou seja, é estimado que 50,8% do tempo total de áudio dos adultos nos Estados Unidos irá para o digital este ano. Para o rádio, a vantagem é que ele também participa do "bolo digital", através do streaming de áudio ao vivo ou do podcast. Conforme destacado anteriormente, dispositivos como smart speakers tem acelerado essa tendência, beneficiando também as emissoras que estão conectadas.


Avanço em tempo no consumo de áudio digital e a variação de crescimento, ano após ano

 
 
Fonte: Tudorádio
 

Pandemia joga para cima a audiência de rádios jornalísticas, freia adultas e derruba Pop CHR nos EUA

É consenso que 2020 deu uma 'bagunçada' em vários padrões de consumo da população, situação influenciada diretamente pela pandemia do novo coronavírus. E no caso dos Estados Unidos, foi um ano eleitoral de grande acirramento das disputas políticas. A necessidade de se informar sobre a covid-19, junto com as notícias vindas das disputas políticas, elevou o nível de audiência de rádios jornalísticas para patamares históricos. Já formatos que estavam em crescimento, como o adulto-contemporâneo, foram freados pelas mudanças. Chama também a atenção para a queda do Pop CHR (Pop-top40).

Os dados são da Nielsen e foram destacados em uma reportagem especial do portal norte-americano Inside Radio. Há anos que o "News/Talk" conta com uma ampla liderança entre todos os formatos de rádio dos Estados Unidos, já que os gêneros musicais também são bastante divididos em diferentes categorias e subgêneros. De qualquer forma, após um recuo de 10% para 9.5% de share entre 2018 e 2019, o News/Talk saltou para 11.2% nos dados consolidados de 2020.

Segundo Jon Miller, VP Sênior de Insights da Nielsen, em entrevista ao portal norte-americano Inside Radio, o ano de 2020 foi sem precedentes para notícias e não foi surpresa o desempenho recorde em audiência do formato News/Talk. "É claro que os americanos querem discutir, debater e se manter informados usando este formato como fizeram a cada dois ou quatro anos durante a última década, dependendo do que o ciclo político e de notícias está fazendo", declara o executivo.

O adulto-contemporâneo, que vinha ampliando o seu share ano após ano, teve um recuo de 8.1% em 2019 para 7.5% de 2020, mas permaneceu na segunda colocação entre todos os formatos de rádio. E o Country, que vinha de queda entre 2018 (7.3%) e 2019 (6.7%), experimentou uma certa estabilidade no ano pandêmico (fechou com 6.6%).

O tudoradio.com fez algumas matérias sobre as mudanças nos hábitos de consumo de rádio durante os meses mais agudos da pandemia, com variações expressivas nos índices de audiência de várias emissoras, principalmente nos mercados onde as restrições para circulação foram maiores (destaque para as grandes metrópoles dos Estados Unidos). Rádios como Pop CHR despencaram em audiência, mas depois começaram a se recuperar quando houve uma maior flexibilidade da circulação de pessoas.

No caso do Pop CHR, o gênero já vinha experimentando uma queda em seus índices nos últimos anos, mas teve a situação acelerada em 2020, indo de 6.5% para 5.5% de share, ou seja, é o sétimo formato mais consumido nos Estados Unidos. Porém, no recorte entre o público 18 e 34 anos, o Pop CHR ainda lidera, com 8.6% de share contra 7.9% do Country (segundo colocado nessa faixa).

São várias as discussões relacionadas ao Pop CHR entre os analistas de rádio e mercado nos Estados Unidos. Alguns atrelam a maior competição com outras plataformas para se acompanhar esse formato de programação. Outros apontam a excessiva repetição de músicas nas grades, com os principais sucessos em alta rotação (chegando a ter intervalos inferiores a 1 hora entre as execuções), o que poderia diminuir o tempo médio dessas estações. A Edison Research chegou a discutir esses pontos em 2020 em um de seus relatórios, mostrando também que o alcance dessas rádios está alto, mas o tempo médio caiu. O formato também flerta artisticamente com outros gêneros já estabelecidos (como o HOT AC) e variações que estão surgindo.

De qualquer forma, a possível concorrência com outras plataformas para o Pop CHR não estão resultando numa queda de audiência do rádio pelo público mais jovem, mas sim uma reconfiguração das preferências. "Apesar de tudo que mudou em 2020, ainda temos nove entre dez consumidores de 18 a 34 anos usando o rádio toda semana", declarou Jon Miller VP Sênior de Insights da Nielsen ao Inside Radio.

Formatos como Classic Hits e Classic Rock foram beneficiados no ano pandêmico, pulando pra cima nas classificações gerais. Eles estão logo após o Country e já experimentavam altas no consumo em anos anteriores. Alguns insights do mercado norte-americano apontam que a pandemia acelerou o crescimento dessas rádios, muito pelo conforto que as playlists dessas rádios geram em um ano de grande insegurança.

Para se ter uma ideia, a classic hits WCBS FM 101.1 de Nova York chegou a desbancar o reinado da Lite FM 106.7 (adulto-contemporâneo) em várias classificações da Nielsen em 2020. Em Los Angeles, a K-EARTH FM 101 (Classic Hits), da Entercom, interrompeu a sequência de dobradinhas experimentadas pelas rádios da iHeartMedia nos últimos anos (KOST FM 103.5, de formato adulto-contemporâneo, e a HOT AC MyFM 104.3).

Também foi considerado normal o declínio das rádios 100% esportivas. Sem eventos nos estádios, com longas pausas nos calendários das principais ligas, o formato experimentou uma queda considerável nos principais mercados dos Estados Unidos.

Agora, com uma eventual normalização das atividades cotidianas nos Estados Unidos e em outros países do mundo, é possível que algumas quedas sejam estancadas ou até revertidas.

nielsen

Exemplos de emissoras dos Estados Unidos para os principais formatos de rádio:

News/Talk: WINS AM 1010 de Nova York e KCBS AM 740 FM 106.9 de San Francisco
AC: Lite FM 106.7 de Nova York e KOST FM 103.5 de Los Angeles
Country: New York’s Country FM 94.7 de Nova Jersey (Grande NY) e Go Country 105 FM 105.1 da Grande Los Angeles
Pop CHR: Z100 FM 100.3 de Nova York e KIIS FM 102.7 de Los Angeles
Classic Hits: WCBS FM 101.1 de Nova York e K-Earth FM 101.1 de Los Angeles
Classic Rock: Q104.3 FM 104.3 de Nova York e The Drive FM 97.1 de Chicago
HOT AC: KTU FM 103.5 de Nova York e MyFM 104.3 de Los Angeles
Urban AC: WBLS FM 107.5 de Nova York e V103 WVAZ FM 102.7 da Grande Chicago
All Sports: WFAN FM 101.9 de Nova York e ESPN AM 710 de Los Angeles
Urban Contemporary: Hot 97 FM 97.1 de Nova York e REAL FM 92.3 de Los Angeles
Alternative: Alt FM 92.3 de Nova York e Alt FM 98.7 de Los Angeles

Fonte: Tudorádio

ANPD investiga possível vazamento de dados de operadoras

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) informou na última quinta-feira, 11, que está apurando tecnicamente as informações sobre o incidente envolvendo o vazamento de dados pessoais de operadoras móveis.

Ontem o site Neofeed noticiou que a empresa de segurança PSafe descobriu um banco de dados com informações de 100 milhões de clientes de Vivo e Claro circulando na dark web, uma área de difícil acesso da internet onde criminosos digitais costumam vender dados obtidos de forma irregular.

Ambas as operadoras afirmaram que não têm qualquer indício de vazamento de seus dados.

“A ANPD está tomando todas as providências cabíveis. A autoridade oficiou outros órgãos, como a Polícia Federal, a empresa que noticiou o fato e as empresas envolvidas, para investigar e auxiliar na apuração e na adoção de medidas de contenção e de mitigação de riscos relacionados aos dados pessoais dos possíveis afetados”, afirma em nota a autoridade de proteção de dados.

Diz ainda que “promoverá, com os demais órgãos competentes, a responsabilização e a punição dos envolvidos”. A agência poderá sancionar empresas a partir de agosto deste ano.

Este é o segundo mega-vazamento de dados de brasileiros identificado pela PSafe neste ano. Antes, a empresa encontrou uma base com informações de 223 milhões de pessoas. A origem da base não foi identificada. Senacon, Procon e ANPD se debruçam sobre o caso, e pediram também investigação da Polícia Federal.

Fonte: Tele.Síntese

Rádio estimula crescimento de podcasts

Alavancados pelo sucesso do rádio, os podcasts, programas em áudio executados sob demanda, registraram crescimento recorde em 2020. Ao longo do ano, foram mapeadas mais de 885 mil novas produções, contra 318.517 iniciativas que estrearam em 2019.

Segundo estudo realizado pelo Instituto Chartable, que analisa o formato de podcast em todo o planeta, em média, um programa foi lançado a cada dois minutos. Em 2020, o segmento também contabilizou aumento de 15% em investimento publicitário.

Outro destaque do estudo foram os podcasts em língua portuguesa, que registraram um avanço de 7.8 vezes em novas produções entre 2019 e 2020.

Consolidado e em constante adaptação às novas plataformas digitais, o rádio contribuiu, de forma direta, para esse crescimento. Nos Estados Unidos, os dois maiores grupos de emissora estão entre as três principais produtoras do gênero: Amazon, Entercom e iHeartMedia.

Educação, seguida por sociedade e cultura, artes e negócios foram os temas predominantes das produções lançadas no ano passado.

Fonte: Abert

UNESCO divulga tema do Dia Mundial do Rádio, que será comemorado no próximo sábado (13)

A UNESCO divulgou o tema do Dia Mundial do Rádio de 2021, comemorado no dia 13 de fevereiro. “Novo Mundo, Nova Rádio” foi adotado para exaltar o meio de comunicação que teve crescimento durante a pandemia do coronavírus. Além disso, esta edição do está dividida em três subtemas principais, como Evolução, Inovação e Conexão.

O subtema Evolução se refere à resiliência do rádio, à sua sustentabilidade; Inovação ressalta que “o rádio teve que se adaptar às novas tecnologias para permanecer o meio de mobilidade preferido, acessível em todos os lugares e para todos”; e a Conexão “destaca os serviços do rádio para a nossa sociedade – desastres naturais, crises socioeconômicas, epidemias, etc”. Todo o material é livre de direitos autorais e pode ser usado para promover o Dia Mundial do Rádio.

Além disso, a diretora-Geral da UNESCO, Audrey Azoulay, divulgou uma mensagem por ocasião do Dia Mundial do Rádio: “Mais do que nunca, precisamos desse meio humanista universal, vetor de liberdade. Sem o rádio, o direito à informação e à liberdade de expressão e, com eles, as liberdades fundamentais seriam fragilizadas, assim como a diversidade cultural, já que as rádios comunitárias são as vozes dos sem voz.”

Dia Mundial do Rádio

Proclamado em 2011 pelos Estados-Membros da UNESCO e adotado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2012 como um Dia Internacional, o dia 13 de fevereiro tornou-se o Dia Mundial da Rádio (WRD).

“O rádio é um meio poderoso para celebrar a humanidade em toda a sua diversidade e constitui uma plataforma para o discurso democrático. Em nível global, o rádio continua sendo o meio mais amplamente consumido. Esta capacidade única de alcançar o maior público significa que o rádio pode moldar a experiência de diversidade de uma sociedade, posicionando-se como uma arena para todas as vozes se manifestarem, serem representadas e ouvidas. As estações de rádio devem servir a diversas comunidades, oferecendo uma ampla variedade de programas, pontos de vista e conteúdo, e refletir a diversidade de públicos em suas organizações e operações“, ressalta o texto da UNESCO.

Fonte: Tudorádio

Pesquisa mostra que o rádio é considerado confiável entre usuários de outras mídias

Uma pesquisa realizada pela MRI-Simmons mostrou que usuários de outras mídias consideram o rádio o meio de comunicação mais confiável. O levantamento Katz analisou os dados mais recentes do Estudo de Insights do Consumidor MRI-Simmons covid-19 aponto que 67% dos adultos confiam ou confiam muito nas informações veiculadas pelo rádio durante o período da pandemia, considerando o mercado norte-americano e foi repercurtido por portais como o Inside Radio. Acompanhe:

De acordo com a análise que foi divulgada nesta segunda-feira (8), as emissoras de rádio foram forçadas a reinventar como criam a programação, se envolvem com o público e mantêm o entretenimento, o companheirismo e as informações críticas fluindo para suas comunidades locais. Essas mudanças, segundo o relatório, fizeram com que o rádio ganhasse a confiança das pessoas.

O rádio foi apontado por 67% dos adultos considerando-o confiável ou muito confiável. O meio superou os jornais (66%) e ultrapassa a TV aberta (62%) e a TV a cabo (61%) em confiabilidade. Além disso, o relatório também mostrou que o rádio supera a internet por computador (57%) e internet móvel (51%).

 


Porcentagem de adultos entre os pesquisados que afirmam ter confiança em cada mídia

 

"Heavy users" de outras mídias também confiam mais no rádio

O também é destaque entre os considerados "super fãs" e "super usuários" (chamados de heavy users) de outras mídias. "Independentemente de quanta mídia adicional as pessoas consumam, o rádio sempre mantém a confiança do consumidor", diz Katz Radio Group na última edição de seu artigo "Sound Answers". Usuários mais intensos de TV, internet e mídia social consideram o rádio mais confiável do que a respectiva mídia que consomem.

Por exemplo, 68% dos usuários intensivos da Internet consideram o rádio muito confiável/confiável, em comparação com 61% para a Internet no computador e 56% para a Internet móvel entre esses mesmos usuários intensivos da Internet. Mais espectadores de TV confiam no rádio (69%) do que na TV aberta (64%) e na TV a cabo (63%). 

Em relação à mídia social, quase duas vezes mais usuários (67%) confiam no rádio do que na mídia social (37%). Entre os grandes leitores de jornais, 67% confiam no rádio - a mesma porcentagem de leitores pesados de jornais que confiam nos jornais. O rádio também é considerado mais confiável do que as revistas pelos grandes leitores de revistas por uma margem de dois dígitos.

O relatório da Katz Radio Group ressalta ainda que "À medida que as marcas prestam mais atenção à segurança e à confiança de várias plataformas de mídia quando colocam seus dólares em publicidade, elas devem ouvir os usuários de todas as mídias - o rádio é o mais confiável".

 


Nível de confiança entre os pesquisados, considerando apenas usuários com alto consumo de internet

 

Fonote: TudoRádio com informações do portal Inside Radio e da Katz Radio Group

Bolsonaro destaca migração AM/FM e digitalização da TV como prioridades para 2021

Em mensagem ao Congresso Nacional na abertura do ano legislativo, na quarta-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro apontou como prioridades do governo para 2021, na área de Comunicações, a aceleração dos processos de migração das rádios AM para FM e de digitalização da TV aberta no país.

“Para 2021, a prioridade no âmbito da política nacional de radiodifusão será acelerar o processo de migração dos serviços de radiodifusão sonora da tecnologia AM, que apresenta qualidade de som inferior e hoje tem audiência limitada para a tecnologia FM, bem como a prioridade na diminuição do estoque processual que concentra passivos de anos anteriores”, disse o presidente.

Bolsonaro destacou ainda o papel do rádio e falou sobre a flexibilização do programa A Voz do Brasil.

“Da mesma forma, o rádio avançou bastante em 2020. Com a flexibilização promovida para a retransmissão do Programa A Voz do Brasil, as rádios de todo o País puderam adequar suas programações para veicular eventos e acontecimentos de grande interesse público sem, contudo, deixar de apresentar informações importantes acerca dos acontecimentos políticos, judiciais e legislativos do País, por meio da retransmissão obrigatória do programa oficial de informações dos Poderes da República”, afirmou.

Ao fazer um balanço do desligamento da TV analógica, o presidente destacou a aprovação do projeto que destina parte do saldo remanescente do leilão da faixa de 700 MHz para a digitalização da TV e reafirmou a previsão de conclusão do processo até 2023.

“A implantação da televisão digital terrestre continuou avançando no ano de 2020. Atualmente, 96% dos domicílios brasileiros têm um ou mais aparelhos de televisão, dos quais 77% recebem os sinais de TV digital. A meta do Governo é que, até o fim de 2023, todos os Municípios brasileiros com televisão analógica em operação tenham feito a transição para o sistema de transmissão digital.

Em novembro de 2020, depois de dois anos de discussões, foi aprovado o projeto que destina parte dos recursos remanescentes do edital da faixa de 700 MHz para a digitalização dos sinais analógicos de TV em cerca de 1,7 mil Municípios que ainda não dispõem dessa tecnologia.

A medida, ao viabilizar a distribuição de kits de conversores de TVD terrestre para mais de 4,5 milhões de famílias de baixa renda cadastradas nos programas sociais do Governo Federal, beneficiará cerca de 24 milhões de habitantes e contribuirá para a conclusão do desligamento do sinal analógico de televisão em todo o País até o final de 2023”, afirmou.

Para acessar a íntegra da mensagem presidencial, clique AQUI

Fonte: ABERT

Conteúdo de TV aberta foi o mais comentado nas redes sociais em 2020

Mais de 90% dos 363 milhões de postagens feitas nas redes sociais em 2020 foram sobre conteúdo de vídeo de programas da TV aberta, em especial reality shows, séries e novelas. Os dados são da pesquisa Kantar Social TV Ratings, da Kantar IBOPE Media, que analisou o comportamento dos programas de TV nas redes sociais.

De acordo com a pesquisa, do total de postagens, os reality shows tiveram 287 milhões de citações (85,6%), seguidos por séries, com 16 milhões (4,8%), novelas, com 13 milhões (3,9%) e jornalismo, com 12 milhões (3,6%).

Já os programas de auditório tiveram 7 milhões (2,1%) de citações no ano passado, um salto de 373% na comparação com 2019. A explicação, segundo a Kantar IBOPE, está no fato de as pessoas estarem mais tempo em casa por causa da pandemia de COVID-19, o que fortaleceu o hábito de assistir TV e comentar na internet.

A TV paga e o SVoD ocuparam a segunda e terceira posições.

Para acessar a pesquisa, clique AQUI.

Fonte: ABERT

MCom publica portaria estabelecendo procedimentos para novos pedidos de migração AM/FM

O Ministério das Comunicações (MCom) publicou nesta sexta-feira (5) a Portaria nº 1.898/2021 estabelecendo os procedimentos para que as emissoras de rádio AM que não efetuaram o pagamento do boleto de adaptação da outorga para a migração AM/FM no prazo, façam o pedido novamente. A ABERT comemorou a reabertura do processo para as rádios que não continuaram com o trâmite da migração.

A portaria publicada hoje estabelece as condições, critérios e procedimentos para a realização de novo pedido de migração das rádios AM para FM. Pelas novas regras, as emissoras deslocadas para o Lote Residual, pelo não pagamento do boleto no prazo, deverão encaminhar o novo pedido para o MCom no prazo de 60 dias.

O requerimento deverá ser enviado pelo Sistema Eletrônico de Informações (SEI) do MCom e estar instruído com os seguintes documentos:

I - prova de regularidade perante as fazendas federal, estadual, municipal ou distrital da sede da pessoa jurídica, na forma da lei;

II - prova de regularidade do recolhimento dos recursos do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações - Fistel;

III - prova de regularidade relativa à seguridade social e ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS; e

IV - prova da inexistência de débitos inadimplidos perante a Justiça do Trabalho, por meio da apresentação de certidão negativa, nos termos do disposto no Título VII-A do Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943 - Consolidação das Leis do Trabalho.

O MCom notificará a emissora para que efetue o pagamento do novo boleto, após a análise dos documentos encaminhados à pasta. No caso de indeferimento do requerimento, ou de não pagamento do valor relativo à adaptação da outorga dentro do prazo estipulado, as emissoras permanecerão alocadas no Lote Residual.

A publicação da portaria foi comemorada pelo presidente da ABERT, Flávio Lara Resende. "A reabertura do prazo para o pagamento dos boletos vencidos é uma demanda antiga de dezenas de pequenas emissoras que aguardavam ansiosas a possibilidade de migrar para o FM", afirmou.

Fonte TudoRádio com informações ABERT

Estudo da Alter Agents destaca o valor da conexão pessoal do rádio com os seus ouvintes. Credibilidade do áudio é alta

Um estudo divulgado pela Entercom, segundo maior grupo de rádios FM/AM dos Estados Unidos, elaborado pela Alter Agents, mostra a força do rádio na conexão pessoal com seus ouvintes e o potencial do áudio na geração de negócios para o mercado. O levantamento destacou que 34% dos ouvintes de estações AM/FM agiu ao ouvir no ar uma recomendação de um comunicador durante um comercial. O áudio também é considerado a fonte de mídia mais confiável entre os norte-americanos. Acompanhe:

A apresentação destaca que "conteúdo local e influenciadores locais impulsionam a ação", destacando o papel do radialista (comunicador e/ou apresentador) na ação tomada por seus ouvintes, que é baseada em confiança. É nesse ponto que 34% da audiência diz agir após uma recomendação dada pela personalidade que está no ar, isso durante um comercial.

O áudio também é fonte poderosa na conversão de mídia em negócio para os anunciantes. Ele detém um índice de 57% em imersão por tipo de mídia, contra 54% em anúncios de vídeos sob demanda, 54% de vídeos digitais, 52% de TV linear e 52% para mídias sociais. A imersão é importante, pois ela é um preditivo de vendas. Ou seja, o investimento de mídia colocado em áudio terá mais chances de se transformar em negócio concretizado.

Em relação a confiança do público, o áudio também leva uma vantagem considerável. Ele é considerado como mídia confiável por 69% do público pesquisado pela Alter Agents, seguido por TV (64%), Google (60%), mídia impressa (57%), mídias sociais (56%), YouTube (47%) e serviços de streaming on-demand (44%, categoria que abrange Spotify, Pandora, entre outros). Os dados são relativos ao mercado dos Estados Unidos.

"O áudio é o meio mais poderoso, ele nos une por meio de experiências compartilhadas, nos move emocionalmente e nos leva agir. Como os profissionais de marketing serão desafiados a chamar a atenção do consumidor, o áudio, como nenhuma outra mídia, oferece uma experiência imersiva, que estimula a memorização, a confiança e a conexão" afirma Idil Cakim, senior VP de pesquisas e insights da Entercom.

Esses insights foram divulgados pela Futura TopLine, relacionados à pesquisa da Alter Agents, encomendada pela Entercom, registrado como em 2021, mercado dos Estados Unidos.

Fonte: Tudo Rádio

Assine nossa Newsletter