Medidas econômicas impactam na radiodifusão em meio à pandemia mundial

Ações propostas pelo governo visam apoiar a economia e influenciam diretamente gestão de empresas de rádio e televisão

 

Com o avanço da presença do Coronavírus (Covid-19) no Brasil, as empresas mudaram seus formatos de trabalho e os profissionais se adaptaram para transmitir informações essenciais à população, mas sempre destacando os cuidados de saúde. Para frear prejuízos à economia nacional com as ações exigidas para conter a pandemia mundial, o governo propôs medidas.

Entre os tópicos levantados para as empresas e que impactam diretamente nos radiodifusores, estão o diferimento do simples nacional e do FGTS por 3 meses, além da redução de 50% na contribuição para o sistema S, também por 3 meses. As ações envolvendo a suspensão de contratos com entrada do Seguro desemprego e Redução na Jornada também entram como fatores para evitar demissões em massa.

Nesta semana, o governo federal registrou também a MP 927, que trata diretamente das questões trabalhistas, oferecendo aos empresários e aos colaboradores a possibilidade de adequar os cargos e modalidades empregatícias à realidade particular de cada empresa.

“Consideramos que as medidas irão beneficiar a gestão das empresas de rádio e televisão neste primeiro momento, com ferramentas para evitar grandes problemas, mas consideramos que ações mais aprofundadas ainda se fazem necessárias, como os ajustes de modalidade empregatícia e outros”, comenta Guliver Leão, presidente da Federação Nacional das Empresas de Rádio e Televisão.

A Fenaert destaca o importante trabalho realizado por profissionais de imprensa nas últimas semanas na cobertura do Coronavírus em todo território nacional e reforça a importância da checagem de informações e a divulgação de notícias precisas e relevantes. É necessário focar na prevenção e na saúde de cada profissional, contemplando o papel fundamental que toda a radiodifusão exerce.

Com pandemia do coronavírus, cresce audiência de jornalísticos e infantis

A Kantar está trabalhando em uma série de análises da evolução da pandemia do coronavírus e seus impactos no Brasil e no mundo. Nesta sexta-feira, 20 de março, a empresa divulgou suas primeiras avaliações em relação ao consumo de vídeo – entre os principais insights, está a percepção de que a audiência vem aumentando a cada dia, com destaque para o aumento do consumo de jovens e crianças, e o incremento no consumo de conteúdos noticiosos. 

Segundo identificado pela Kantar Ibope Media, mudanças nos hábitos e grades de programação resultaram em um aumento de 17% na audiência dos jornalísticos ao vivo e de 14% nos conteúdos infantis. Além disso, crianças e jovens estão vendo mais TV: entre o último sábado, 14, e a última terça, 17, a parcela de audiência correspondente às crianças entre quatro a 11 anos foi de nove para 21%; de 12 a 17 anos, de seis para 24%; e de 18 a 24 anos, de três para 10%.

De modo geral, a audiência da televisão no país segue crescendo. Na primeira semana do ano, os sábados registravam cerca de 16,4 milhões de pessoas vendo TV; enquanto no último sábado, 14, o número subiu para 16,8. Aos domingos, a mudança foi de 17,6 para 18,3 milhões; às segundas, de 17,7 para 18,7 milhões; e, às terças, de 17,4 para 19,6 milhões. Todos os dados comparam os mesmos dias da semana entre o início do ano e os últimos dias. O estudo afirma que o aumento de audiência tem acontecido em todos os países da América Latina de forma semelhante.

Uma vez que a recomendação geral é para que as pessoas permaneçam dentro de suas casas, é natural o aumento do consumo de vídeo em todos os seus formatos. A tendência é, ainda, que os índices continuem crescendo conforme medidas de restrições mais duras em relação à circulação de pessoas sejam tomadas.

Por fim, a pesquisa aponta ainda que nos últimos dez dias, as conversas no Twitter sobre o assunto representaram 72% de tudo o que foi falado sobre Covid-19 no ano no Brasil.

 

Fonte: Tela Viva

Coronavírus: Decreto presidencial define como essenciais as atividades e serviços relacionados à imprensa

Um decreto presidencial editado neste domingo (22) e publicado no mesmo dia, em edição do Diário Oficial da União (DOU), definiu como essencial as atividades e serviços relacionados à imprensa durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. A medida alterou o decreto publicado na sexta-feira (20), que estabeleceu os serviços essenciais e que havia deixado a imprensa de fora. 

O decreto determina que são considerados essenciais os serviços de imprensa "por todos os meios de comunicação e divulgação disponíveis, incluídos a radiodifusão de sons e de imagens, a internet, os jornais e as revistas, dentre outros". As medidas previstas em lei para o enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus "deverão resguardar o exercício pleno e o funcionamento das atividades e dos serviços relacionados à imprensa".

O texto ainda proíbe a restrição à circulação de trabalhadores que possa afetar o funcionamento das atividades e dos serviços essenciais da imprensa. O decreto diz ainda que, na execução da atividade da imprensa, deverão ser adotadas todas as cautelas para a redução da transmissão da Covid-19.

Entre as atividades definidas como essenciais no decreto de sexta-feira, estão a assistência à saúde; atividades de segurança e defesa nacional; transporte intermunicipal, interestadual e internacional de passageiros; transporte por táxi e por aplicativos; serviços de telecomunicações, energia elétrica e gás; produção e venda de produtos de saúde, higiene, alimentos e bebidas; serviços bancários e postais; produção e venda de combustíveis; e o transporte e entrega de cargas.

 

Fonte: Tudo Rádio

Comitê aprova prorrogação do pagamento de tributos do Simples Nacional por seis meses

Decisão faz parte das medidas do governo para proporcionar mais tranquilidade às empresas por conta da pandemia do coronavírus. Medida não vale para tributos de fevereiro

O Comitê Gestor do Simples Nacional aprovou nesta quarta-feira (18) a prorrogação, por seis meses, do prazo para pagamento dos tributos federais no âmbito do Simples Nacional, informou a Secretaria da Receita Federal.

A medida, que também se aplica aos Microempreendedores Individuais (MEI), faz parte do pacote para minimizar os impactos econômicos da pandemia do coronavírus. A mudança não se aplica aos tributos de fevereiro, que vencem na próxima sexta (20).

Com isso, de acordo com o órgão, os tributos federais apurados no Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional – Declaratório (PGDAS-D) e Programa Gerador do DAS para o MEI (PGMEI) foram prorrogados da seguinte forma:

  1. O Período de Apuração Março de 2020, com vencimento original em 20 de abril de 2020, fica com vencimento para 20 de outubro de 2020;
  2. O Período de Apuração Abril de 2020, com vencimento original em 20 de maio de 2020, fica com vencimento para 20 de novembro de 2020; e
  3. O Período de Apuração Maio de 2020, com vencimento original em 22 de junho de 2020, fica com vencimento para 21 de dezembro de 2020.

A Receita informou ainda que um ato vai orientar os procedimentos a serem adotados pelos contribuintes, na hora de fazer esse pagamento.

O governo federal já tinha anunciado que faria mudanças no pagamento do Simples. Até aquele momento, a ideia era prorrogar em apenas três meses.

 Confira o vídeo completo da reportagem clicando aqui.

Fonte: G1

FENAERT alerta comunicadores sobre prevenção do Coronavírus

Brasil já conta com cerca de 200 casos de Covid-19 e profissionais da comunicação devem seguir orientações de cuidados

Em meio à pandemia mundial de Coronavírus, o papel dos comunicadores é fundamental na produção de conteúdo relevante e factual. Mas é importante também manter a prevenção para evitar a disseminação do Covid-19 com ações de higienização e cuidados específicos. A recomendação do Ministério da Saúde é para que pessoas com sintomas como febre, tosse e dificuldade de respirar fiquem em isolamento.

Os cuidados recomendados são: lavar as mãos com frequência, utilizar álcool em gel e evitar aglomerações, além de evitar contato físico. Os comunicadores devem ficar atentos aos seus equipamentos de uso diário, que também devem ser higienizados, como celulares, microfones, e até mesmo teclado e mouse, que costumam ser esquecidos. É fundamental a comunicação de sintomas para realização do teste e afastamento, a fim de prevenir a disseminação e a preservação da saúde do profissional. “Neste momento, vamos todos nos unir em torno das medidas necessárias para evitar que o vírus se espalhe e também no cuidado da divulgação de informações precisas e relevantes”, completa Guliver Leão, presidente da Federação Nacional de Empresas de Rádio e Televisão (Fenaert).

A divulgação de notícias de interesse público com objetividade e veracidade é de suma importância, mas os cuidados de prevenção também são essenciais para manter a população atualizada diariamente. Por isso, a Fenaert alerta para que todas as recomendações do Ministério da Saúde sejam respeitadas e, em caso de novas diretrizes, divulgará as ações necessárias.

 

WhatsApp Image 2020-03-16 at 18.00.32

Em tempos da disseminação do coronavírus, temas como saúde e segurança são a principal prioridade de rádios em diferentes países

Diante da disseminação do coronavírus (COVID-19), as quatro grandes redes de emissoras de rádio comerciais da Austrália estão elaborando medidas visando a proteção dos funcionários. Uma delas é a instalação de estúdios domésticos para que, caso a pandemia siga aumentando, os profissionais possam continuar no ar. Segundo estimativas das autoridades, cerca de 3.000 australianos estão se auto-isolando em casa, com um total de 191 casos confirmados de coronavírus em todo o país.

Em tempos do aumento de casos do coronavírus, grandes redes de rádios comerciais tem se preparado para proteger o bem-estar dos funcionários. Caso da Australian Radio Network, grupo de estações de rádio comerciais na Austrália que mencionou já possuir tecnologia especializada para garantir que todos os funcionários, incluindo personalidades, possam trabalhar em casa ou em outros locais, se necessário. Foram feitos kits personalizados com novos equipamentos para equipes de notícias e anunciantes, que podem ser distribuídos conforme a necessidade.

 

Os trabalhos de forma remota tem sido algo bastante aderido por diversas empresas. O chefe da SCA, Grant Blackley, disse ao SMH que ele e o diretor de tecnologia Stephen Haddad estão trabalhando juntos para garantir que todos os trabalhadores também possam administrar as compras em casa.

A NOVA Entertainment também desenvolveu uma série de precauções, segundo contou Paul Jackson, chefe de programação e marketing à Rádio Today. "Levamos a saúde e a segurança de todos os nossos funcionários muito a sério e temos procedimentos e planos em linha com as diretrizes estabelecidas pelo governo e pelas autoridades de saúde", disse Jackson.

A ARN (Australian Radio Network) diz estar preparada para o pior cenário, já que as autoridades de saúde estimam que cerca de 20% da população pode contrair o vírus. "Temos limitados eventos e reuniões não essenciais, e estamos incentivando qualquer membro da equipe a trabalhar em casa ou sair se não se sentir bem", disse Davis,  executivo-chefe à Rádio Today.

Com informações do Rádio Today. Colaboração de David Duck

Justiça acata ações da ACAERT e proíbe publicidade em duas rádios comunitárias catarinenses

A Justiça Catarinense acatou ações da Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (ACAERT) e proibiu duas emissoras de rádio comunitária de veicularem propaganda comercial em suas programações. Segundo a decisão, ficou fixada também multas diárias em caso de desobediência da decisão por parte das rádios comunitárias.

Segundo as informações, uma das decisões ocorreu em Criciúma. O juiz Rafael Milanesi Spillere deferiu medida liminar contra a Rádio União Comunitária, determinando que a emissora veicule apenas o que se entende por apoio cultural. Além disso, a rádio deve respeitar o raio de cobertura determinado pela legislação de rádio comunitária, que é de mil metros a partir da torre de transmissão. O não cumprimento da decisão pode acarretar multa diária de R$ 200s), limitada a R$ 10 mil reais.

Em Tijucas, a ACAERT conseguiu uma decisão semelhante contra a Rádio Comunitária Canelinha. A juíza Monike Silva Povoas Nogueira, também determinou que a Rádio Comunitária Canelinha deixe de veicular comerciais que contenham bens, produtos, preços, condições de pagamento, ofertas, vantagens e serviços que promovam a patrocinadora. 

De acordo com a decisão prolatada pela magistrada, a emissora deve se limitar à veiculação somente do nome, endereços físico e eletrônico e telefone dos interessados, como forma de apoio cultural nos termos estabelecidos pela legislação vigente, sob pena de multa por descumprimento no valor de R$ 300 por anúncio irregular. Além disso, a rádio não pode contratar apoio cultural de empresas sediadas além do raio de cobertura de transmissão de até mil metros contados da antena transmissora.

Outra decisão importante da Justiça foi para que a rádio deixe de contratar prestação de serviços com o Poder Público, sob pena de multa no valor de R$ 300 por descumprimento.

Fonte: Tudo Rádio

Anatel disponibiliza boleto bancário para pagamento de Taxa de Fiscalização de Funcionamento

Data de vencimento é para o dia 31 de março. Boleto está disponível por meio do site da Anatel

Os radiodifusores de todo o país já podem ter acesso ao boleto referente à TFF (Taxa Anual de Fiscalização de Funcionamento), que compõe o Fistel (Fundo de Fiscalização das Telecomunicações). A taxa é anual e neste ano deverá ser paga até o próximo dia 31.

O boleto está disponível por meio do site da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Para isso basta que o radiodifusor acesse o seguinte link https://sistemas.anatel.gov.br/Boleto/Internet/Tela.asp e informe o número do CNPJ da emissora e do Fistel, este que pode ser encontrado no boleto do ano passado.

Fonte: Com informações do Tudo Rádio
 

Anatel disponibiliza boleto bancário para pagamento de Taxa de Fiscalização de Funcionamento

De acordo com o Inciso VIII do Art. 5º da Lei 13.844, de 18 de Junho de 2019, fica convocada Rede Nacional Obrigatória de Emissoras de Televisão e Rádio, para pronunciamento do Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro, hoje, dia 12.03.2020, quinta-feira, com duração de aproximadamente 4' (quatro minutos). A geração estará a cargo da EBC.

Fonte: Rede Nacional de Rádio

Maioria dos consumidores esperam que o conteúdo de áudio seja sempre gratuito. Situação potencializa anúncios

Um relatório da Nielsen apontou um cenário que já era uma impressão do mercado de rádio. O consumidor de áudio é mais avesso à cobrança pelo acesso a esse tipo de conteúdo, diferente da maior aceitação ocorrida no consumo de vídeo. Isso ocorre pelo fato do áudio ser uma ferramenta que sempre esteve disponível de forma ampla e gratuita. Apesar desse cenário ser mais desafiador para a criação de novas plataformas de áudio, a Nielsen aponta que isso pode ser uma oportunidade atraente para anúncios. 

A Nielsen realizou uma pesquisa especial nos Estados Unidos que apontou o sentimento do público perante as plataformas de streaming. Foi apontado que, no mundo dos vídeos, "a grande maioria dos usuários desse tipo de mídia (mais de 90%) assina pelo menos um serviço de streaming pago", afirma a Nielsen.

Porém, quando o assunto é áudio, mais da metade procura por acesso gratuito (53%), enquanto 27% assinam um tipo de serviço de áudio (não necessariamente pago) e 20% acessam conteúdo das duas maneiras.

Desses 53% que acessam áudio gratuitamente, eles utilizam ferramentas que contam com anúncios, sejam aqueles em formato programático (como as publicidades automáticas no streaming), como também o intervalo comercial (no caso de rádio ao vivo via streaming).

"Os consumidores sempre tiveram acesso a entretenimento de áudio gratuito, por isso não é surpresa que os americanos sejam mais relutantes em pagar por isso. Independentemente de como ouvimos, os consumidores esperam que os serviços de streaming de música e o rádio sejam gratuitos e disponíveis, e essa é uma diferença impressionante do setor de streaming de vídeo, onde os provedores de conteúdo estão segregando programas distintos em serviços específicos, como forma de atrair assinantes", destaca a Nielsen em seu relatório.

 Impacto do Rádio e o interesse do mercado

O próprio rádio (FM/AM) tem um papel fundamental nesse comportamento, segundo a Nielsen. Desde o surgimento desse formato de mídia em áudio, o acesso gratuito sempre foi suportado por anúncios, sendo algo padrão e suportado pelo público. E isso não parece arrefecer: a Nielsen lembra que o rádio, que é a principal plataforma de áudio, segue atingindo 92% dos adultos norte-americanos a cada semana.

Isso tem chamado a atenção das grandes marcas, segundo a Nielsen. A publicidade está atenta ao perfil e a força do áudio, procurando soluções de anúncios baseadas em áudio. Essas marcas sabem que o alcance oferecido pelo rádio e pelo áudio é importante: "é um componente fundamental de campanhas publicitárias bem-sucedidas e um ingrediente necessário para gerar conscientização e mover produtos da prateleira", afirma o relatório da Nielsen.

Segundo a Nielsen, o áudio gratuito suportado por anúncios, falando especificamente o veículo rádio, "oferece uma oportunidade atraente para alcançar os consumidores em massa no mundo altamente fragmentado e louco por streaming de hoje", afirma o relatório, que complementa dizendo que "o áudio oferece uma experiência única e íntima para os ouvintes e os anunciantes que desejam alcançá-los".

Por mais que o streaming de vídeo tende a dominar a pauta das tendências tecnológicas e em chamadas relacionadas ao planejamento de marketing das empresas, o áudio também está crescimento de forma rápida como "um elemento básico no consumo de mídia dos consumidores norte-americanos", alerta a Nielsen.

Ganho ilimitado?

A Nielsen aponta ainda que o modelo gratuito com anúncios tem uma vantagem de ganho ilimitado perante outros modelos de negócio. "Em algum momento, até o modelo de assinatura mais bem-sucedido enfrentará desafios de crescimento à medida que seus pools de assinantes se enchem. Esse não é o caso do modelo suportado por anúncios", alerta o instituto. 

O relatório termina afirmando que entende que é "tentador ficar envolvido na alarde dos mais recentes serviços de vídeo por assinatura", mas destaca que "no mundo do áudio, o foco para emissoras, podcasters e criadores é inalterado: desenvolva conteúdo de qualidade que mantenha o público voltando independentemente da plataforma ou modelo de anúncio - assim como tem sido desde o início do rádio", conclui a Nielsen.

 

Para um faturamento maior…

Recentemente o tudoradio.com publicou uma matéria que aponta a manutenção da gratuidade de conteúdos de áudio como o podcast representam um desafio ao setor.  Por exemplo: as receitas globais de podcasts podem superar a marca de US$ 3,3 bilhões em 2025, caso o ritmo atual de crescimento seja mantido. Porém a Deloitte observa que para alcançar esse volume é preciso que ocorra um avanço internacional da plataforma, além de um modelo de monetização mais aprimorado.

 

Fonte: Tudo Rádio

Assine nossa Newsletter