Há 100 anos, acontecia em Recife a primeira transmissão oficial de rádio do Brasil

Sediada no Recife, a pioneira Rádio Clube continua em atividade na frequência 720 AM

radio-3792826 960 720

Em 6 de abril de 1919, o radiotelegrafista Antônio Joaquim Pereira, junto a um grupo de amadores da eletricidade, fundou e deu início à primeira emissora de rádio do Brasil. Para a transmissão inaugural da Rádio Clube, foi improvisado um estúdio na Ponte d'Uchoa, no Recife.

Precursores, as primeiras experiências daqueles vanguardistas da rádio visavam comunicar por diversão e aperfeiçoar as transmissões de telegrafia sem fio. No dia seguinte, o evento foi noticiado no Jornal do Recife, já ganhando notoriedade de fato histórico. Em novembro daquele mesmo ano, a Rádio Clube passou a ter sede oficial, na Boa Vista.

Ainda funcionando na capital pernambucana, a rádio Clube opera no dial AM, na frequência 720 kHz. Atualmente, seus estúdios estão localizados na sede dos Diários Associados, em Santo Amaro. O Brasil de Fato Pernambuco integra a grade de programação da Clube, com um programa jornalístico diário, no ar de segunda a sexta-feira, às 14 horas, com reportagens sobre a política local, nacional e internacional, cultura, cidades, esportes e lazer.

Fonte: Brasil de Fato

Jornalismo da Rádio UFMG Educativa passa por reformulação

Emissora interrompe produção para rediscutir formatos, programas e linguagens

 

microphone-1562354 960 720

Com o objetivo de pensar em novos produtos e formatos diante dos desafios da produção de notícias, o jornalismo da Rádio UFMG Educativa está passando por reformulação. Desde a última quarta-feira, 1º de maio, o Jornal UFMG, informativo diário de 30 minutos, não vai ao ar. A faixa de música clássica, que normalmente toca das 12h25 às 12h30, teve seu horário ampliado ate as 13h.

A reformulação é fruto de discussões e mudanças que vêm sendo feitas no Centro de Comunicação (Cedecom) da UFMG, unidade à qual a rádio e as demais mídias institucionais da Universidade estão vinculadas. Desde 2017, as reformulações têm sido debatidas com a comunidade, por meio da realização de duas edições do Colóquio Universidade e Comunicação Pública: a primeira dedicada às mídias sonoras e a segunda, à produção textual jornalística no ambiente institucional. Entre as  mudanças ocorridas nos últimos anos destaca-se também a estreia do novo Portal da UFMG e a reestruturação da TV UFMG, núcleo hoje responsável por produções audiovisuais em múltiplas plataformas.

“A produção jornalística da Rádio UFMG Educativa tem lugar fundamental no espectro midiático em Belo Horizonte. É necessário que reconheçamos que o jornalismo produzido pela equipe de reportagem da rádio, já na fundação da emissora, em 2005, ressignificou a produção jornalística na capital mineira. A partir do exemplo de nossa emissora, outras começaram a investir no formato reportagem”, destaca o coordenador-executivo de Comunicação da UFMG, Marcílio Lana. “Mas, agora, chegamos a um cenário que é necessário repensar o nosso fazer diante das transformações que o jornalismo está atravessando, sobretudo diante das redes sociais”, completa a também coordenadora-executiva de Comunicação da Universidade, Tacyana Arce, a primeira editora de jornalismo da Estação do Conhecimento.

O Jornal UFMG é um dos produtos mais antigos da emissora e foi criado em 2005. O noticiário já passou por algumas reformulações ao longo desses 13 anos, visando sempre à qualidade do conteúdo veiculado. A última delas ocorreu em 2011 quando, entre outras mudanças, o jornal ganhou colunistas fixos ligados a grupos de pesquisas da UFMG.

Compromissos
Para a coordenadora de jornalismo da Rádio UFMG Educativa, Paula Alkmim, a emissora entra agora em nova fase: “ao longo de mais de uma década, o Jornal UFMG cumpriu missão importante de levar informação e serviço para a população que vive na Grande BH, com a produção de entrevistas, colunas e reportagens analíticas e foco no interesse do cidadão. Mas é natural no jornalismo – uma área em constante modificação – que os produtos passem de tempos em tempos por reformulações. Nessa nova fase, vamos desenvolver novos produtos e formatos mantendo os nossos compromissos fundamentais: a qualidade da informação e a formação de novas gerações de jornalistas”.

“O contexto midiático nos desafia e nos provoca a nos repensarmos. É necessário que compreendamos a produção do podcast, da produção sonora jornalística para além do dial. Será uma parada pequena para que nos reestruturemos, assim como já aconteceu com a TV UFMG”, destaca Tacyana Arce.

De acordo com Paula Alkmim, durante essa parada técnica, os jornalistas Alessandra Ribeiro, Alicianne Gonçalves, Tiago de Holanda, Arthur Bugre e Vinícius Luiz vão se dedicar à pesquisa sobre novos formatos e linguagens radiofônicas e ao desenvolvimento dos novos programas jornalísticos da emissora. Os estudantes em formação também participam do processo de reformulação. Os demais programas da emissora não serão afetados pela reformulação do jornalismo.

A Rádio UFMG Educativa já ganhou 33 prêmios, entre eles o Délio Rocha, do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, o Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento e o Sebrae-Minas, além de quatro menções honrosas.  

A Rádio UFMG Educativa pode ser ouvida na frequência 104,5 FM ou pela internet.

 

Fonte: Universidade Federal de Minas Gerais 

Pesquisa aponta que TV e rádio são menos afetados com fake news; 73% acreditam que jornalismo é importante para o país

 

download 1

Canais de TV e rádio são menos atingidos com a veiculação das fake news. É o que mostra o estudo “Trust in News” produzido pela Kantar. A pesquisa avaliou a cobertura política e eleitoral no Brasil, EUA, Reino Unido e França. Os dados comprovam que, devido à profundidade da cobertura oferecida, as notícias veiculadas pelas emissoras de rádio e televisão são mais confiáveis do que as de plataformas de mídias sociais e jornais online.

Os resultados obtidos com o estudo mostram que 39% das pessoas usam, hoje, mais fontes de notícias do que um ano atrás. O jornalismo foi considerado fundamental para a democracia por 73% dos entrevistados. Embora 78% dessas pessoas se atualizem com notícias no meio online, apenas 56% delas acreditam que o que leem é verdadeiro.

De acordo com a pesquisa, 76% dos entrevistados passaram a checar a veracidade da notícia em outras fontes depois de ouvirem falar em fake news e 70% passaram a pensar duas vezes antes de compartilharem essas reportagens. Em relação à confiança no noticiário político e eleitoral, 57% disse confiar menos em aplicativos de mensagem enquanto esse número sobe para 58% quando se trata das mídias sociais. Já o telejornalismo manteve a mesma confiança por parte de 64% dos entrevistados.

Em relação ao consumo de notícias veiculadas da televisão por faixa etária, 69% da faixa etária entre 18 e 34 anos afirmaram acompanhar as notícias por este meio. Nesse mesmo grupo, em relação aos boletins ou noticiários da rádio, o número cai para 28%. Entre 35 e 54 anos, 77% acompanham pela TV e 33% pela rádio. Já entre os que têm 55 anos ou mais o número é de 83% pela televisão e 36% pela rádio.

A Abratel enxerga com satisfação o resultado da pesquisa pois ela confirma a preocupação com a credibilidade das emissoras associadas e os esforços produzidos por cada uma delas para levar conteúdo de qualidade ao público. A luta por uma radiodifusão livre, gratuita, aberta e, acima de tudo, de qualidade, é um dos pilares da Associação.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação da Abratel

Nova TV Brasil entra no ar

 

Novatvbrasil

A  TV Brasil agora conta com uma nova programação, após três meses consecutivos em que a emissora se mantém como a sétima mais assistida no Brasil – posição que inclui tanto canais abertos quanto fechados. A nova grade, que agrega conteúdos produzidos pela NBR, foi anunciada no dia  09 deste mês na sede da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Entre as novidades estão os flashes ao vivo da Presidência da República e dos ministérios ao longo da programação, apresentando atos e ações do governo federal. “Daremos uma nova plástica à TV Brasil. Teremos mais entretenimento, informação e acessibilidade, adotando como conceito o de ser a rede mais brasileira do país”, explicou o gerente executivo da TV Brasil e Rede, Vancarlos Alves, durante o anúncio na sede da EBC em Brasília.

 “A junção das duas TVs em uma grade agregará valores e servirá de fonte com credibilidade para os atos do governo”, disse Vancarlos, ressaltando que, apesar de não ser esta a prioridade da emissora, a audiência será ampliada, uma vez que “os assuntos do governo são de interesse público”.

As mudanças levaram em consideração o fato de as emissoras de televisão estatais apresentarem, em sua programação, conteúdos educativos. “Nosso propósito é tornar a TV mais inclusiva, interativa, informativa e transparente”, disse Vancarlos, ao ressaltar a importância de se produzirem programas voltados para públicos que nem sempre são atendidos por outras emissoras.

“[No Brasil] 19 milhões de pessoas precisam de acesso a recurso de acessibilidade, como legendas, libras ou dublagem”, destacou Vancarlos, referindo-se a programas como o Repórter Visual, o primeiro a apresentar notícias em libras, voltado ao público com limitações auditivas.

Para alcançar os objetivos de apresentar uma programação de qualidade, a ideia é avançar na cobertura nacional e nas parcerias com as redes de comunicação pública. A grade da TV Brasil apresenta, além de produções próprias, coproduções e parcerias com instituições públicas brasileiras, bem como com emissoras públicas estrangeiras e com a Rede Nacional de Comunicação Pública, formada por mais de 40 emissoras de televisão.

“Essa rede [capitaneada pela TV Brasil] é um caminho duplo que abastecemos com nosso conteúdo, e colocamos, em nossa exibição nacional, sotaques e culturas por ela produzidos”, resumiu o gerente da EBC.

Outra fonte de conteúdo da grade de programação da TV Brasil é o Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Audiovisual Brasileiro (Prodav), fundo gerido pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), que investe em obras audiovisuais de produção independente.

Nova grade

No ar desde o dia 10 deste mês, a TV oferece faixa inteiramente acessível, a começar pela campeã de audiência da emissora, a TV Brasil Animada. De segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, a faixa de desenhos infantis exibe programas com todos os recursos de acessibilidade, como audiodescrição, legenda oculta, interpretação em libras e dublagem.

Em seguida, às 9h30, vai ao ar o programa protagonista da interpretação em libras no Brasil, o Repórter Visual. No fim de semana, a TV Brasil exibe o Programa Especial, que tem como apresentadoras a cadeirante Juliana Oliveira e a repórter Fernanda Honorato, que tem síndrome de Down.

Brasil na Faixa é o espaço reservado à contemplação do país e vai ao ar às quintas-feiras, das 22h a 0h30. Nessa faixa, o Brasil é visto a partir de outras perspectivas e com base em temas como faróis instalados no litoral; fortes; parques nacionais; roteiros turísticos; fabricações nacionais, como vinhos; obras de engenharia brasileiras; experimentos científicos.

A emissora mantém de segunda a sexta-feira, programas consagrados como o esportivo Stadium e o Sem Censura. O Cenário Econômico, apresentado pelo jornalista Adalberto Piotto direto dos estúdios da B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, passa a ser exibido às 18h.

O esporte ganhou mais espaço com a exibição de No Mundo da Bola, às segundas-feiras, das 22h às 23h, e, aos domingos, das 21h às 22h30. O telejornal diário Repórter Brasil mudou de horário e entra no ar das 20h15 às 21h.

A agricultura ganhou um programa especial, que entra no ar aos domingos, às 6h. A atração dá visibilidade aos assuntos do mundo do campo, da produção agrícola brasileira e das características do agronegócio nacional.

A implantação de uma programação que faz apresentações temáticas a cada dia da semana teve, segundo o gerente executivo, influência tanto das TVs a cabo quanto do feedback obtido da própria audiência. “O consumo de TV envolve hábitos”, disse Vancarlos, ao explicar que o telespectador poderá escolher o que vai assistir no horário nobre, entre os dias da semana, a partir das 22h.

Na segunda-feira, o tema é esporte; na terça, o espaço é reservado a informações, com documentários, entrevistas e conteúdos jornalísticos. Na quarta-feira, o tema  é cinema; na quinta, o espaço é para o Brasil; e, na sexta, cultura, com exibição de grandes musicais.

De segunda a sexta-feira, a programação da TV Brasil segue a seguinte grade:

6h – A TV de Todos - Atração composta por produções regionais das emissoras parceiras da Rede Nacional de Comunicação Pública.

7h30 - TV Brasil Animada Especial - A faixa, que vai até as 10h, oferece atrações infantis com todos os recursos de acessibilidade (interpretação em Libras, audiodescrição, legenda oculta, dublagem).

9h30 – Repórter Visual - Primeiro programa de televisão com interpretação em Libras.

9h45 – Brasil Em Dia - Programa jornalístico com informações atualizadas do dia.

10h – TV Brasil Animada - Faixa de maior audiência da emissora, oferece desenhos reconhecidamente premiados em ambiente sem violência e sem veiculação de publicidade que incentivem o consumo, das 10h às 17h.

17h – Sem Censura - O consagrado programa de entrevistas da emissora com novo cenário.

18h – Cenário Econômico

18h30 – TV Brasil Animada Jovem - É uma nova faixa da emissora, que apresenta uma programação voltada ao público infantojuvenil, como a série Gaby Estrella, A Velha História do Meu Amigo Novo eCozinhadinho.

20h15 – Repórter Brasil Noite

21h00 – Stadium - No ar desde 1977, o programa traz informações do mundo do esporte, com especial atenção para modalidades paradesportivas.

21h30 – Fique Ligado

22h – Faixas temáticas com assuntos segmentados de segunda a sexta-feira

Segunda-feira – Esporte - 22h às 23h - No Mundo da Bola.

Terça-feira – Informação - 22h – Brasil Em Pauta – entrevistas com autoridades e especialistas para discutir temas da atualidade.

22h30 – Caminhos da Reportagem – O programa mais premiado da TV Brasil ganha formato mais dinâmico, com 30 minutos de duração.

23h – Impressões - diálogo atual e descontraído com personalidades do mundo da política, da economia, da sociedade e da cultura.

23h30 – Trilha de Letras – Programa que associa literatura e informação e apresenta entrevistas com autores que expõem opiniões e críticas sobre diversos temas.

0h – Um Olhar Sobre o Mundo

Quarta-feira – Cinema - 22h a 0h – Maratona de Cinema

 

Fonte: Agência Brasil 

VIII Prêmio Asdep de Jornalismo reconhece produções sobre atuação da Polícia Civil e segurança Pública no RS

 

Em cerimônia na última quinta-feira (25), premiação destacou quatorze profissionais em cinco categorias. Evento também contou com a participação de autoridades e associados.

 

 MG 6817

 

Na noite da última quinta-feira, 25 de abril, a Associação dos Delegados de Polícia do Rio Grande do Sul (ASDEP) comemorou seu 59º aniversário durante a entrega do VIII Prêmio Asdep de Jornalismo. O reconhecimento é feito aos jornalistas que se destacaram nas categorias de Televisão, Impresso, Rádio, Online e Fotografia, com produções voltadas para segurança pública e atuação da Polícia Civil. O evento ocorreu no salão de eventos da associação e contou com a presença de associados, ex-presidentes, autoridades e convidados.

Durante a cerimônia, o presidente da Asdep, Delegado Cleiton Freitas, parabenizou a instituição pelo aniversário e reafirmou a importância do trabalho dos jornalistas. “Cumprimento a todos pelos nossos 59 anos de associação, atuando conforme o nosso lema: servir, proteger e lutar, buscando os direitos da sociedade. Também destaco o trabalho dos jornalistas, pois é através dele que a população sabe das nossas ações e do quanto nos doamos para garantir sua proteção”, declarou.

A Chefe de Polícia do Estado, Delegada Nadine Anflor, em seu discurso, reforçou que o trabalho do policial civil não seria o mesmo sem a imprensa. “Precisamos informar a sociedade sobre nossas ações e isso acontece, com tamanha repercussão, graças à imprensa. O nosso trabalho não teria a mesma disseminação vocês. Agradeço, em meu nome e da Instituição, por todo respeito e apoio para com a ASDEP”, afirma

Após a entrega das premiações, a Associação reservou um momento para reconhecimento a jornalistas que, ao longo de suas carreiras, dedicaram importante atenção ao trabalho da Polícia Civil em prol da segurança pública. São eles: Adriana Irion, do jornal Zero Hora; André Haar, da Record TV; Felipe Vieira, do SBT; Rafael Marconi, da Rádio Pampa; e Sabrina Thomazi.

A celebração também contou duas importantes homenagens. A Asdep entregou uma placa ao Presidente da União Gaúcha dos Policiais Civis (UGAPOCI), Mário Marcelino, em agradecimento aos benefícios oferecidos aos policiais civis do estado, nas áreas de saúde, lazer e cultura, desde a sua fundação, em 18 de abril de 1968. Ao final, o Grupo Life Brasil entregou homenagem para a Associação dos Delegados de Polícia, em comemoração a mais um aniversário e desejando sucesso nos anos que virão.

Confira a lista dos premiados no VIII Prêmio Asdep de Jornalismo:

Televisão

1° lugar – Bruna Ostermann (SBT) – Papo de responsa: alunos combatem violência escolar;

2º lugar – Luciane Kohlmann (SBT) – Agressões contra mulher crescem em 2018;

3º lugar – Fábio Almeida (RBS TV) – Ferros velhos virtuais;

Rádio

1º lugar - Cid Martins (Rádio Gaúcha) – Barões do crime: Policia Civil desarticula esquema de roubo de veículos, revenda de peças pela internet e lavagem de dinheiro;

2º lugar - Eduardo Matos(Rádio Gaúcha) – Na mira do crime: polícia e transportadoras unidas no combate ao roubo de carga;

Online

1° lugar – Marcelo Batista Brum de Brum (Qwerty Portal de Noticias) – Força tarefa da Polícia Civil desarticula 27º quadrilha de abigetários do Rio Grande  do Sul;

2º lugar - Cid Martins (GaúchaZH) - Polícia Civil ataca finanças de quadrilha que adquiriu mais 30 imovéis com dinheiro ilícito;

3º lugar – Luana Parreira Rodrigues (Portal Gaz) - Do latrocínio à prisão: Como foi a morte do taxista Luciano Kappel;

Impresso

1° lugar – Fernanda Junkherr Szczecinsky (Gazeta do Sul) – O assassino do lago está preso;

2º lugar – Cíntia Marchi (Correio do Povo) – Combate Complexo;

3º lugar – Renato Dorneles (Diário Gaúcho) – Casas de papel;

Fotojornalismo

1° lugar – Lucas Amorelli  (Pioneiro) – No rastro do Tráfico;

2º lugar – Lidiane Mallmann (Informativo do Vale) – Arsenal de guerra no Vale;

3º lugar – Fábio Pelinson (Alto Uruguai) – Polícia investiga morte violenta de taxista na FW.

 

Fonte: Camejo Estratégia em Comunicação

 

Fenaert considera inaceitável ação do STF, que censurou veículos de comunicação

A Federação Nacional das Emissoras de Rádio e TV (Fenaert) vem a público manifestar o seu repúdio sobre a censura imposta por ministros do STF a veículos de comunicação. Conforme a entidade, esta prática, vinda de um órgão que deveria prezar pela constituição e pela democracia, é inaceitável. 
 
Acusar de fake news conteúdo gerado por jornalistas a partir de documentos e relatos de fontes oficiais é um ato gravíssimo e isso, sim, precisa ser apurado. Espera-se que o ato de censura não mais se repita, sob pena de retrocedermos a tempos sombrios, em que a sociedade é impedida de ser informada sobre a verdade a respeito de determinados fatos.
 
A entidade reforça as mensagens de repúdio de associações empresariais e de trabalhadores e de demais entidades ligadas à imprensa e discorda totalmente da atitude tomada, que reflete uma posição de cerceamento à liberdade de imprensa e expressão jornalística.

STF censura sites e manda retirar matéria que liga Toffoli à Odebrecht

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou nesta segunda-feira (15) que o site "O Antagonista" e a revista "Crusoé" retirem do ar reportagens e notas que citam o presidente da Corte, Dias Toffoli.

Moraes estipulou multa diária de R$ 100 mil e mandou a Polícia Federal ouvir os responsáveis do site e da revista em até 72 horas.

"Determino que o site 'O Antagonista' e a revista 'Crusoé' retirem, imediatamente, dos respectivos ambientes virtuais a matéria intitulada 'O amigo do amigo de meu pai' e todas as postagens subsequentes que tratem sobre o assunto, sob pena de multa diária de R$ 100.000,00 (cem mil reais), cujo prazo será contado a partir da intimação dos responsáveis. A Polícia Federal deverá intimar os responsáveis pelo site 'O Antagonista' e pela Revista 'Crusoé' para que prestem depoimentos no prazo de 72 horas", diz a decisão.

Alexandre de Moraes decidiu sobre a questão porque é relator de um inquérito aberto no mês passado para apurar notícias fraudulentas que possam ferir a honra dos ministros ou vazamentos de informações sobre integrantes da Corte.

Segundo reportagem publicada pela revista na quinta (11), a defesa do empresário Marcelo Odebrecht juntou em um dos processos contra ele na Justiça Federal em Curitiba um documento no qual esclareceu que um personagem mencionado em email, o "amigo do amigo do meu pai", era Dias Toffoli, que, na época, era advogado-geral da União.

Dias Toffoli

Conforme a reportagem, no e-mail, Marcelo tratava com o advogado da empresa – Adriano Maia – e com outro executivo da Odebrecht – Irineu Meireles – sobre se tinham "fechado" com o "amigo do amigo". Não há menção a dinheiro ou a pagamentos de nenhuma espécie no e-mail. Ao ser questionado pela força-tarefa da Lava Jato, o empresário respondeu: "Refere-se a tratativas que Adriano Maia tinha com a AGU sobre temas envolvendo as hidrelétricas do Rio Madeira. 'Amigo do amigo de meu pai' se refere a José Antônio Dias Toffoli". Toffoli era o advogado-geral da União entre 2007 e 2009, no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a revista, o conteúdo foi enviado à Procuradoria Geral da República para que Raquel Dodge analise se quer ou não investigar o fato.

Em nota oficial divulgada na sexta, a PGR afirmou que não recebeu nenhum material e não comentou o conteúdo da reportagem: "Ao contrário do que afirma o site 'O Antagonista', a Procuradoria-Geral da República (PGR) não recebeu nem da força-tarefa Lava Jato no Paraná e nem do delegado que preside o inquérito 1365/2015 qualquer informação que teria sido entregue pelo colaborador Marcelo Odebrecht em que ele afirma que a descrição 'amigo do amigo de meu pai' refere-se ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli".

Na própria sexta, segundo a decisão de Alexandre de Moraes, Toffoli mandou mensagem pedindo apuração, com o seguinte teor:

"Permita-me o uso desse meio para uma formalização, haja vista estar fora do Brasil. Diante de mentiras e ataques e da nota ora divulgada pela PGR que encaminho abaixo, requeiro a V. Exa. Autorizando transformar em termo está mensagem, a devida apuração das mentiras recém divulgadas por pessoas e sites ignóbeis que querem atingir as instituições brasileiras", afirmou o presidente do Supremo.

Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes cita que o esclarecimento feito pela PGR "tornam falsas as afirmações veiculadas na matéria “O amigo do amigo de meu pai”, em tópico exemplo de fake news – o que exige a intervenção do Poder Judiciário". "A plena proteção constitucional da exteriorização da opinião (aspecto positivo) não constitui cláusula de isenção de eventual responsabilidade por publicações injuriosas e difamatórias, que, contudo, deverão ser analisadas sempre a posteriori, jamais como restrição prévia e genérica à liberdade de manifestação", afirmou.

Segundo a assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal, não se trata de censura prévia – proibida pela Constituição – mas sim de responsabilização pela publicação de material supostamente criminoso e ilegal. Conforme o tribunal, o ministro Alexandre de Moraes se baseou em nota da Procuradoria Geral da República, que afirmou não ter recebido qualquer informação do Paraná, ao contrário do que disse a reportagem. 

A TV Globo confirmou que o documento de fato foi anexado aos autos da Lava a Jato , no dia 9 de abril, e seu conteúdo é o que a revista descreve. O documento, porém, não chegou à Procuradoria Geral da República.

Nesta segunda-feira (15), a TV Globo verificou que o documento não mais consta do autos. Em 12 de abril, um dia após a publicação da reportagem, o juiz da 13ª Vara, Luiz Antonio Bonat, intimou a PF e o MPF a se manifestarem. No mesmo dia, o documento foi retirado do processo. Não se sabe as razões. O documento não é assinado por Marcelo Odebrecht, mas por seus advogados.

O diretor da revista Crusoé, Rodrigo Rangel, disse que "reitera o teor da reportagem, baseada em documento, e registra, mais uma vez, que a decisão [de Moraes] se apega a uma nota da Procuradoria-Geral da República sobre um detalhe lateral e utiliza tal manifestação para tratar como fake news uma informação absolutamente verídica, que consta dos autos da Lava Jato”.

Rangel afirma também: “Importa lembrar, ainda, que, embora tenha solicitado providências ao colega Alexandre de Moraes ainda na sexta-feira, o ministro Dias Toffoli não respondeu às perguntas que lhe foram enviadas antes da publicação da reportagem agora censurada”.

 

Fonte: g1.globo.com

 

STF censura sites e manda retirar matéria que liga Toffoli à Odebrecht

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou nesta segunda-feira (15) que o site "O Antagonista" e a revista "Crusoé" retirem do ar reportagens e notas que citam o presidente da Corte, Dias Toffoli.

Moraes estipulou multa diária de R$ 100 mil e mandou a Polícia Federal ouvir os responsáveis do site e da revista em até 72 horas.

"Determino que o site 'O Antagonista' e a revista 'Crusoé' retirem, imediatamente, dos respectivos ambientes virtuais a matéria intitulada 'O amigo do amigo de meu pai' e todas as postagens subsequentes que tratem sobre o assunto, sob pena de multa diária de R$ 100.000,00 (cem mil reais), cujo prazo será contado a partir da intimação dos responsáveis. A Polícia Federal deverá intimar os responsáveis pelo site 'O Antagonista' e pela Revista 'Crusoé' para que prestem depoimentos no prazo de 72 horas", diz a decisão.

Alexandre de Moraes decidiu sobre a questão porque é relator de um inquérito aberto no mês passado para apurar notícias fraudulentas que possam ferir a honra dos ministros ou vazamentos de informações sobre integrantes da Corte.

Segundo reportagem publicada pela revista na quinta (11), a defesa do empresário Marcelo Odebrecht juntou em um dos processos contra ele na Justiça Federal em Curitiba um documento no qual esclareceu que um personagem mencionado em email, o "amigo do amigo do meu pai", era Dias Toffoli, que, na época, era advogado-geral da União.

Dias Toffoli

Conforme a reportagem, no e-mail, Marcelo tratava com o advogado da empresa – Adriano Maia – e com outro executivo da Odebrecht – Irineu Meireles – sobre se tinham "fechado" com o "amigo do amigo". Não há menção a dinheiro ou a pagamentos de nenhuma espécie no e-mail. Ao ser questionado pela força-tarefa da Lava Jato, o empresário respondeu: "Refere-se a tratativas que Adriano Maia tinha com a AGU sobre temas envolvendo as hidrelétricas do Rio Madeira. 'Amigo do amigo de meu pai' se refere a José Antônio Dias Toffoli". Toffoli era o advogado-geral da União entre 2007 e 2009, no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a revista, o conteúdo foi enviado à Procuradoria Geral da República para que Raquel Dodge analise se quer ou não investigar o fato.

Em nota oficial divulgada na sexta, a PGR afirmou que não recebeu nenhum material e não comentou o conteúdo da reportagem: "Ao contrário do que afirma o site 'O Antagonista', a Procuradoria-Geral da República (PGR) não recebeu nem da força-tarefa Lava Jato no Paraná e nem do delegado que preside o inquérito 1365/2015 qualquer informação que teria sido entregue pelo colaborador Marcelo Odebrecht em que ele afirma que a descrição 'amigo do amigo de meu pai' refere-se ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli".

Na própria sexta, segundo a decisão de Alexandre de Moraes, Toffoli mandou mensagem pedindo apuração, com o seguinte teor:

"Permita-me o uso desse meio para uma formalização, haja vista estar fora do Brasil. Diante de mentiras e ataques e da nota ora divulgada pela PGR que encaminho abaixo, requeiro a V. Exa. Autorizando transformar em termo está mensagem, a devida apuração das mentiras recém divulgadas por pessoas e sites ignóbeis que querem atingir as instituições brasileiras", afirmou o presidente do Supremo.

Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes cita que o esclarecimento feito pela PGR "tornam falsas as afirmações veiculadas na matéria “O amigo do amigo de meu pai”, em tópico exemplo de fake news – o que exige a intervenção do Poder Judiciário". "A plena proteção constitucional da exteriorização da opinião (aspecto positivo) não constitui cláusula de isenção de eventual responsabilidade por publicações injuriosas e difamatórias, que, contudo, deverão ser analisadas sempre a posteriori, jamais como restrição prévia e genérica à liberdade de manifestação", afirmou.

Segundo a assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal, não se trata de censura prévia – proibida pela Constituição – mas sim de responsabilização pela publicação de material supostamente criminoso e ilegal. Conforme o tribunal, o ministro Alexandre de Moraes se baseou em nota da Procuradoria Geral da República, que afirmou não ter recebido qualquer informação do Paraná, ao contrário do que disse a reportagem. 

A TV Globo confirmou que o documento de fato foi anexado aos autos da Lava a Jato , no dia 9 de abril, e seu conteúdo é o que a revista descreve. O documento, porém, não chegou à Procuradoria Geral da República.

Nesta segunda-feira (15), a TV Globo verificou que o documento não mais consta do autos. Em 12 de abril, um dia após a publicação da reportagem, o juiz da 13ª Vara, Luiz Antonio Bonat, intimou a PF e o MPF a se manifestarem. No mesmo dia, o documento foi retirado do processo. Não se sabe as razões. O documento não é assinado por Marcelo Odebrecht, mas por seus advogados.

O diretor da revista Crusoé, Rodrigo Rangel, disse que "reitera o teor da reportagem, baseada em documento, e registra, mais uma vez, que a decisão [de Moraes] se apega a uma nota da Procuradoria-Geral da República sobre um detalhe lateral e utiliza tal manifestação para tratar como fake news uma informação absolutamente verídica, que consta dos autos da Lava Jato”.

Rangel afirma também: “Importa lembrar, ainda, que, embora tenha solicitado providências ao colega Alexandre de Moraes ainda na sexta-feira, o ministro Dias Toffoli não respondeu às perguntas que lhe foram enviadas antes da publicação da reportagem agora censurada”.

 

Fonte: g1.globo.com

 

FENAERT repudia atitude de cerceamento à liberdade de imprensa do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella

A Federação Nacional das Emissoras de Rádio e TV (Fenaert) manifesta seu repúdio à atitude do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), que durante uma entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira (11) afastou uma repórter da TV Globo da sua frente, impedindo-a de ser gravada fazendo um questionamento a ele.

Na oportunidade, Crivella ainda afirmou que a emissora “faz drama com coisas corriqueiras”, referindo-se à cobertura jornalística sobre o forte temporal que resultou em 10 vítimas fatais na cidade.

A Fenaert lamenta profundamente o ocorrido e repudia o cerceamento à liberdade de imprensa e expressão jornalística, sendo contra qualquer atitude que vise impedir um jornalista de fazer o seu trabalho, bem como qualquer ofensa ao trabalho das emissoras de informar a população sobre os fatos. A entidade destaca que este tipo de fato é muito grave, ainda mais por envolver uma figura pública.  

Prêmio Alltech de Jornalismo 2019 divulga seus dez finalistas

Divulgação AlltechO Prêmio Alltech de Jornalismo 2019 anunciou os 10 finalistas selecionados pela equipe organizadora. Ao todo, 119 jornalistas, de 90 veículos, de 21 estados e do Distrito Federal, inscreveram 282 trabalhos, entre materiais audiovisuais e reportagens de jornais, portais e revistas. Foram selecionados cinco trabalhos em cada uma das categorias, sendo elas “Criação e Nutrição Animal” e “Agricultura”.

Os critérios utilizados na avaliação das reportagens foram: adequação ao tema, relevância, utilização de fontes, densidade e exatidão do conteúdo e qualidade editorial e técnica. Entre os materiais inscritos, se destacaram temáticas como bem-estar animal, integração lavoura-pecuária-floresta, conservação e manejo do solo, utilização consciente dos recursos hídricos, produção orgânica na agricultura e proteína animal, além de soluções inteligentes para o agronegócio.

Os vencedores serão revelados ao público entre os dias 19 e 21 de maio, durante o One: Simpósio de Ideias Alltech, que ocorre na cidade de Lexington, no estado do Kentucky, nos Estados Unidos. O prêmio contempla a inscrição para o evento, passagem aérea e estadia de três noites em hotel cinco estrelas. A premiação é promovida pela Alltech, empresa líder mundial em saúde e nutrição animal e vegetal, e recebe apoio institucional da Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

Confira os finalistas:

Categoria “Agricultura”

  • “Água sob medida” - Ariosto Mesquita, Revista Agro DBO

  • “Algodão brasileiro” - César Dassie, TV Globo SP

  • “Reúso da água” - Daniela Castro, TV Terra Viva

  • “A última fronteira agrícola do país” - Gustavo Porto, Agência Estado

  • “Uma safra no Norte, outra no Sul” - Joana Colussi, Zero Hora

Categoria "Criação e Nutrição Animal"

  • “Uso de colchões aumenta produtividade de gado leiteiro” - Dany Fran, RPC TV

  • “Pecuaristas do Pantanal de MS apostam na criação orgânica e sustentável” - Edevaldo do Nascimento, TV Morena

  • “Negócio de sucesso: camarão com tecnologia” - Ítalo de Lucena Pereira, TV Cabo Branco

  • “Caminho do Leite” - Valteno de Oliveira Santos, TV Band

  • “Bem-estar para as fazendas e os animais - Vinicius Galera, Revista Globo Rural

Sobre a Alltech:

Fundada em 1980 pelo empresário e cientista irlandês Dr. Pearse Lyons, a Alltech descobre e entrega soluções para a nutrição sustentável de plantas, animais e pessoas. Com mais de 100 unidades de produção global, a Alltech é líder em produção e processamento de leveduras e minerais na forma orgânica.

Nosso princípio orientador ACE busca desenvolver soluções que são seguras para os animais, consumidores e também para o meio ambiente. São mais de seis mil colaboradores espalhados pelo mundo que têm o compromisso de para trabalhar todos os dias para nossos consumidores.

A Alltech é uma empresa familiar - o que permite se adaptar rapidamente às novas necessidades do consumidor e a permanecermos focados em inovação de ponta. Sediada em Lexington, Kentucky, nos Estados Unidos, a empresa tem uma presença forte em todas as regiões do mundo. Para mais informações, visite www.alltech.com/news. Nos contate também pelo Facebook.

Assine nossa Newsletter