Astronauta Marcos Pontes assume MCTI e diz se sentir como em um foguete

Simpático, acessível e disposto a fazer um trabalho com muita eficiência. Essa foi a sensação que o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, passou na cerimônia de transmissão de cargos, na manhã desta quarta-feira (2/1). Chegou ao ministério pouco antes das 9h, atendeu a imprensa e depois foi a um auditório lotado, que se tornou pequeno para tantos convidados. Muitos tiveram de assistir à solenidade por telões espalhados pelo térreo do ministério.
 
 
“Quando sentei em cima de 300 toneladas de combustível lógico que me deu medo. Hoje, tenho a mesma sensação, mais pela responsabilidade. No foguete, quando sentia medo, passava a mão na bandeira do Brasil, porque assim lembrava que não estava sozinho. Da mesma forma, agora, não estarei sozinho”, disse, em um discurso emocionado.
 

20190102113322196933i

Marcos Pontes, com Bolsonaro, no dia da posse do novo presidente e seus ministros (foto: Sergio Lima / AFP )
 
“A nossa bandeira significa o sacrifício de muita gente. Não podemos deixar o medo nos paralisar, é preciso coragem para fazer o que precisa ser feito”, disse. “. Cada trabalho é importante. Isso não é um emprego, é uma oportunidade para fazer a diferença”, acrescentou, no discurso oficial.
 
Marcos Pontes prometeu trabalhar com a comunidade científica, com empresas privadas e em parceria com vários ministérios para garantir os pilares que vão nortear sua passagem pelo MCTIC. “Nossa missão será produzir conhecimento, com pesquisa e ciência, garantir a produção de riquezas para o país, por isso as tecnologias aplicadas são importantes, mas, sobretudo, levar melhoria da qualidade de vida das pessoas”, elencou. 
 
O ministro defendeu a cooperação entre as pastas. “Vamos estudar como a tecnologia pode melhorar todas as atividades em parceria com outros ministérios. Sabemos que ciência e tecnologia estão em todas as atividades, na indústria, na saúde, na agricultura”, alertou. Pontes anunciou, então, sua equipe. (Veja no quadro)

Estrutura
 
Antes do evento, em uma coletiva, Pontes explicou como ficou o ministério. Na parte de comunicações, o MCTIC permanece com as duas secretarias da forma como estavam: uma de radiodifusão e outra de telecomunicações. Haverá uma secretaria de Pesquisa e Formação, para motivar ciência e tecnologia nas escolas e estimular jovens para seguirem as carreiras de pesquisa. A Secretaria de Empreendedorismo e Inovações deve incluir as políticas digitais. 
 
A Secretaria de Tecnologias Aplicadas vai promover cooperações com outros ministérios. “Ainda teremos a Secretaria de Planejamento, Projetos, Cooperações e Controle, que funcionará basicamente funciona no gerenciamento de projetos. Vai estabelecer indicadores e critérios para medir a efetividade dos nossos trabalhos e o retorno dos investimentos”, disse Pontes. A secretaria também ficará a cargo da captação  de recursos “Orçamento é um dos problemas sérios que temos em Ciência e Tecnologia”, disse. 
 
Sobre o futuro da Telebras, estatal que ameaçava ser extinta, Pontes disse que a empresa permanece da mesma forma. “Temos um trabalho a ser feito com relação à recuperação de eficiência de todas as entidades vinculadas. Esse trabalho inicia hoje, propriamente dito”, afirmou. “Temos uma série de problemas a serem resolvidos tanto na Telebras, quanto nos Correios”, completou.
 
Banda Larga
 
A parte de inclusão digital permanece dentro das telecomunicações. “Não mexi em nada disso. O que mais me preocupa nessa área é levar banda larga ao país inteiro.Há regiões remotas em que isso é difícil, mas é importante para as escolas e famílias. Esse esforço vai ser muito grande”, destacou. “Estamos analisando como isso pode ser melhorado. Temos a questão da Viasat (empresa norte-americana contratada pela Telebras para operar o satélite brasileiro). Há uma questão jurídica para resolver e eu coloquei um pessoal extremamente competente para tratar para dar seqüência a esse trabalho. Mas o contrato deve andar como deveria”, explicou.
 
Pontes também afirmou que existem muitos provedores no país todo. “Eles podem fazer a capilaridade. Temos trabalhado junto com eles também”, disse. O ministro disse que fará um  trabalho mais próximo dos congressistas e da sociedade para que percebam a importância estratégica do ministério. “Para que nos ajudem a conduzir esse trabalho, a ter orçamento adequado para dar contribuição ao país”, prometeu.
 
O ministro disse ainda que vai reveer uma série de leis e legislações. “Temos que analisar a aplicabilidade para torná-las mais eficiente. Por isso, foi incluído na Secretaria de Planejamento, o setor de indicadores e otimização. Vamos observar processos e melhorar a eficiência continuamente”, acrescentou.
 
Fonte: www.correiobraziliense.com.br

89 A Rádio Rock completa seis anos do seu retorno ao segmento rock

A 89 A Rádio Rock FM 89.1 de São Paulo comemora seu “segundo” aniversário neste mês. O “primeiro” foi o de 33 anos da estação na capital (completado no começo do mês). O segundo é o da volta da marca ao segmento rock, depois de seis anos operando como uma rádio voltada ao pop/jovem. O retorno da marca 89 A Rádio Rock foi efetivado no dia 21 de dezembro de 2012, voltando a atender esse segmento e público que acompanharam a sintonia entre 1985 e 2006. Foram seis anos de rádio voltado ao segmento jovem/pop (2006 a 2012) como 89 FM e agora são quatro anos após o retorno das atividades como “89 A Rádio Rock”.  Hoje a emissora está bem posicionada em seu público-alvo que é qualificado, além de estar entre as rádios mais ouvidas da Grande São Paulo. A emissora está no top 10 em audiência (ocupa a 8ª posição) com números superiores a 67 mil ouvintes por minuto. A 89 A Rádio Rock ressurgiu no dial FM de São Paulo após seis anos de aposta no segmento jovem/pop por parte da emissora. O retorno ocorreu através de uma parceria no formato “naming rights” com o portal de conteúdo UOL.  No primeiro semestre de 2013 a rádio operou como “UOL 89 A Rádio Rock” e, na sequência, adotou o seu nome fantasia original (89 A Rádio Rock). Recentemente a 89 comemorou 33 anos de existência, marca completada no último dia 2 de dezembro. O show em comemoração ao seu aniversário foi realizado no final de novembro na Audio Club. Entre as atrações que se apresentaram estavam Badauí, Clemente, Dinho, Egypcio, Kiko Zambianchi, Nasi, Supla, entre outros. FONTE: www.tudoradio.com

Fenaert apoia nota técnica divulgada pelo Ministério do Trabalho, que atualiza o procedimento de registro de radialistas

A Federação Nacional das Empresas de Rádio e TV (FENAERT) comemora um avanço para o segmento, atingido nesta terça-feira, 18 de dezembro, com a publicação da Nota Técnica nº 228/2018 do Ministério do Trabalho. O documento trata da alteração no procedimento de registro profissional de radialista. Até então, os profissionais eram registrados para as funções ou atividades previstas no Quadro de Funções, sistema equivocadamente adotado e processado por todas as Secretarias Regionais do Trabalho no país.

“A Fenaert vê a ação como um grande êxito para o setor da radiodifusão. Com base em argumentos legais e fáticos, a entidade solicitou ao Ministério do Trabalho a revisão de tal procedimento, de forma a constar do registro profissional de Radialista apenas a profissão e não mais a função, uma vez que não há qualquer previsão na legislação no sentido de que o registro de radialista deva ser emitido considerando-se a função ocupada pelo profissional, conforme vinha sendo praticado atualmente”, afirma o presidente da entidade, Guliver Leão.

A atualização de procedimento representa um avanço significativo no processo de obtenção de registros da profissão de radialista, beneficiando a partir de agora, principalmente os trabalhadores desta categoria, que passam a requerer e obter um registro único na profissão, a exemplo das demais profissões regulamentadas do setor – jornalistas, artistas e músicos, por exemplo - e não, equivocadamente, em cada função a ser exercida, dificultando a progressão e evolução profissional. A medida passa a valer em todo o território nacional a partir da data da publicação da Nota Técnica.

Assessora jurídica da FENAERT palestra em workshop para radiodifusores em Porto Alegre

A assessora jurídica da Federação Nacional das Empresas de Rádio e Televisão (FENAERT), Patrícia Guimarães, participou, na última terça-feira (27), do Workshop Sindirádio, organizado pelo sindicato patronal gaúcho, a fim de esclarecer dúvidas sobre a nova legislação do radialista. O evento, que reuniu mais de 100 filiados, aconteceu no Hotel Deville Prime, em Porto Alegre.

PATRÍCIA GUIMARÃES

Patrícia Guimarães palestra em workshop em Porto Alegre/RS. Créditos: José Luiz da Rocha.

Com dinamismo e interação do público, Patrícia analisou o quadro anexo das funções dos radialistas, os cenários e impactos da alteração. “A mudança da própria tecnologia fez com que tivéssemos uma necessidade de adaptação sobre o método de fazer notícia. O quadro original possui uma série de funções que não são técnicas e especializadas da radiodifusão, existiam esses conflitos e os dois itens de mudanças levam em conta essas questões”, destacou Patrícia.

Além de Patrícia, o workshop também contou com painel do desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), Emílio Papaléo Zin, sobre o primeiro ano da Reforma Trabalhista. A mediação do evento ficou por conta dos jornalistas Tulio Milman e Paulo Sérgio Pinto.

Em assembleia, Fenaert elege diretoria executiva para novo mandato

Em assembleia realizada nesta segunda-feira, 26 de novembro, oito sindicatos que compõem a Federação Nacional das Empresas de Rádio e TV (FENAERT) elegeram por unanimidade a chapa que estará à frente da entidade pelos próximos dois anos. O encontro foi realizado na sede da Federação, em Brasília.

FERNANDO DIAS 03

Assembleia, realizada hoje, reconduz atual presidente ao cargo (Foto: Fernando Dias/ Divulgação).

O presidente da FENAERT, Guliver Augusto Leão, foi reconduzido ao cargo. “Vamos manter a linha de atuação frente ao segmento, representando as empresas de radiodifusão em pautas de interesse do setor”, afirma Leão.

Confira abaixo a chapa eleita.

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente Guliver Augusto Leão (GO)

Vice Presidente Edison José Biasin (SP)

1º Vice Presidente Secretário Valdirene Félix Pedrosa (MG)

2º Vice Presidente Secretário Jorge Henrique Maciel (RJ)

1º Vice Presidente Tesoureiro Carlos Henrique Agustini (PR)

2º Vice Presidente Tesoureiro Carlos Alberto Ross (SC)

CONSELHO FISCAL

Titulares

1º Ricardo José Zovico (SP)

2º Lucenir Nôleto Monteiro (DF)

3º Christina Alvarez Gadret (RS)

Suplentes

1º Fernando Araujo do Nascimento (PA)

2º Edmilson Bôaviagem A. Melo Junior (PE)

3º Ary Florêncio Cauduro dos Santos (RS)

Proposta proíbe terceirização de canais de rádio e TV do Rio Grande do Sul

Em meio ao processo de extinção da Fundação Piratini, que se arrasta desde 2016, um projeto do deputado estadual Luiz Fernando Mainardi (PT) que tramita na Assembleia Legislativa quer proibir a terceirização das atividades de canais públicos de rádio e televisão no Rio Grande do Sul. Em julho deste ano, o então presidente da fundação, Orestes de Andrade Júnior, cogitou conceder a operação das emissoras TVE e FM Cultura à iniciativa privada. 

TVE

Foto: SulBR TV / Divulgação

Conforme Orestes explicou na época, a empresa escolhida seria responsável, durante cinco anos, pela geração e transmissão do sinal da TVE e da FM Cultura, contratação de funcionários e produção de conteúdo local, com estúdios e equipamentos próprios. Entretanto, o projeto não foi levado adiante. Agora, a decisão deve recair sobre o governador eleito, Eduardo Leite (PSDB), que assume o Palácio Piratini a partir de 1 de janeiro de 2019.

Segundo a proposta de Mainardi, "não se considera como terceirização a veiculação de conteúdos de produção independente, sejam eles doados, comprados, permutados e/ou encomendados através de editais e/ou chamamentos públicos". Ou seja, não proíbe a terceirização da produção de conteúdo, mas a gestão das emissoras. 

Apesar disso, o texto diz, ainda, que o governo "poderá apoiar e implementar ações com a finalidade de qualificar as emissoras públicas, bem como desenvolver ações e programas de captação de recursos públicos ou privados".

Na justificativa do texto, Mainardi sustenta que as emissoras públicas desempenham um papel complementar à radiodifusão privada ou estatal, "constituem apoio fundamental à cultura, oportunizando um espaço diferenciado para a música, a literatura, o teatro, os audiovisuais, as artes de modo geral". 

"Sem as emissoras públicas de rádio e televisão, o sistema de mediação simbólica que rege as relações sociais, econômicas e políticas fica submetido exclusivamente às emissoras privadas", pondera Mainardi. "Os discursos de todos os setores ficam cativos da forma que lhes dá a radiodifusão privada", conforme o deputado, é a razão pela qual defende que as emissoras públicas atendam aos propósitos constitucionais, e que suas gestões, bem como a exploração de suas outorgas, devam permanecer integralmente sob o controle e administração do poder público.

O ex-presidente da fundação sustentou, à época, que a entrega da produção de conteúdo à iniciativa privada não alteraria o caráter público das emissoras, pois a produtora não teria "abertura para modificar a programação. Quem vai definir o conteúdo é a Secretaria de Comunicação, com a aprovação e a fiscalização do conselho consultivo, formado por 11 entidades ligadas à comunicação e à cultura". A extinção da Fundação Piratini foi oficializada em maio. Mas, sem uma solução para a produção do conteúdo e o destino dos servidores, as atividades seguem desempenhadas pelo quadro da FM Cultura e da TVE.

Fonte: www.jornaldocomercio.com

Associações criticam decisão de juiz de proibir TV Globo de divulgar conteúdo de inquérito

A Associação Brasileira de Imprensa, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão e a Associação Internacional de Radiodifusão divulgaram notas criticando a decisão do juiz Gustavo Gomes Kallil, da 4ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, de proibir a TV Globo de divulgar informações sobre o inquérito policial que apura o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Para a ABI e a Abert, a decisão fere a liberdade de imprensa, viola o artigo 5º da Constituição e representa condenável ato de censura prévia. E a Associação Internacional de Radiodifusão exorta o Poder Judiciário a revisar a decisão e, assim, garantir os direitos fundamentais no Brasil.

A TV Globo, seguindo seus princípios editoriais, publicou duas reportagens com base no inquérito, sem revelar testemunhas nem nada que pudesse prejudicar as investigações e, como anunciou no sábado (17), vai recorrer da decisão.

Fonte: g1.globo.com

Transamérica chega aos 40 anos em operação no Rio de Janeiro

A Transamérica FM 101.3 do Rio de Janeiro completou 40 anos na capital fluminense. Em sua história, os estúdios da Transamérica foram palco para o lançamento de várias bandas e músicos que lá gravavam seus álbuns, incluindo Skank, Lulu Santos, Roberto Carlos, Paul Simon, Kid Abelha, Tim Maia, entre outros.

Hoje, a programação mantém sua essência, mas se adaptou para continuar junto de seus ouvintes. Além do Pop/Rock, outros estilos ganharam espaço como o Hip Hop, Black Music, Eletrônico, Dance e Funk. A emissora também conta com uma equipe esportiva que transmite os jogos das equipes cariocas nos principais campeonatos de futebol.

1

Além disso, a rádio também sempre desenvolveu ações especiais. Um dos principais projetos especiais ao longo do ano acontece num dos maiores espetáculos do mundo. Durante o período carnavalesco, a emissora vai para a avenida, mostrando tudo sobre os bastidores, incluindo entrevistas com sambistas, diretores de escola, compositores, celebridades e artistas presentes na festa popular. 

A cobertura envolve uma cabine no sambódromo e um espaço exclusivo num dos maiores camarotes da Marquês de Sapucaí para ações de relacionamento. O mesmo acontece com o futebol, pois a Transamérica está presente no Maracanã. A marca da emissora está presente no tour oficial do estádio e ações de relacionamento com clientes e parceiros acontecem no camarote, nos principais jogos.

A Transamérica do Rio de Janeiro surgiu alguns anos após a estreia da Transamérica FM 92.7 do Recife, emissora que este ano completou 45 anos e é a pioneira da rede. Atualmente a Rede Transamérica conta com dezenas de afiliadas com as portadoras nos segmentos Pop, Hits e Light.

Fonte: tudoradio.com

Web Summit 2018 gera mais de seis mil notícias em Portugal

Um estudo divulgado hoje pela consultora de comunicação Cision registrou mais de 6 mil notícias publicações relacionadas a Web Summit 2018, conferência de tecnologia realizada anualmente desde 2009, realizada na última semana em Lisboa, Portugal. De acordo com o documento, a maioria das notícias foi publicada na internet (4.312), seguido de televisão (936), meios impressos (520) e rádio (287), totalizando 6.055 artigos. O estudo analisou as referências ao evento e a cidade-sede em mais de 2.000 meios de comunicação portugueses (televisão, rádio, imprensa e online) e em 120 mil portais de outros 190 países, entre os dias 01 de outubro e 09 de novembro.

WEB SUMMIT

Web Summit 2018 (Filipe Amorim / Global Imagens).

"Nas televisões nacionais, a Web Summit ocupou cerca de 53 horas de tempo de antena, somadas a mais de 12 horas e meia de emissão no rádio", informa a portuguesa Cision em comunicado. Das notícias divulgadas no exterior que constaram na análise, a maior parte vem dos Estados Unidos, totalizando 2.769. Na Espanha foram 634, seguida de Reino Unido (361), Brasil (350), França (326) e Alemanha (326). Na lista dos 10 países com maior número de notícias sobre o evento, constam ainda Áustria, Canadá, Itália e a Índia, cada uma com mais de 150 publicações.

Conforme o documento divulgado pela Cision, a cidade de Lisboa é citada em 8.195 notícias de meios de comunicação, em mais de 110 países devido ao evento. A edição da Web Summit deste ano, a terceira em Lisboa, ocorreu entre os dias 05 e 08 de novembro, somando 69.304 participantes de 159 países, cerca de 1.200 painelistas, mais de 1.500 investidores e 2.600 jornalistas.

A conferência tecnológica de inovação e empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010, na Irlanda, e mudou-se para Portugal em 2016. A mudança gerou um impacto econômico de mais €$500 milhões para o país lusófono.

Fonte: www.rtp.pt

Web Summit 2018 gerou mais de seis mil notícias em Portugal

Um estudo divulgado hoje pela consultora de comunicação Cision registrou mais de 6 mil notícias publicações relacionadas a Web Summit 2018, conferência de tecnologia realizada anualmente desde 2009, realizada na última semana em Lisboa, Portugal. De acordo com o documento, a maioria das notícias foi publicada na internet (4.312), seguido de televisão (936), meios impressos (520) e rádio (287). O estudo analisou as referências ao evento e a cidade-sede em mais de 2.000 meios de comunicação portugueses (televisão, rádio, imprensa e online) e em 120 mil portais de outros 190 países, entre os dias 01 de outubro e 09 de novembro.

WEB SUMMIT

Web Summit 2018 (Filipe Amorim / Global Imagens).

"Nas televisões nacionais, a Web Summit ocupou cerca de 53 horas de tempo de antena, somadas a mais de 12 horas e meia de emissão no rádio", informa a portuguesa Cision em comunicado. Das notícias divulgadas no exterior que constaram na análise, a maior parte vem dos Estados Unidos, totalizando 2.769. Na Espanha foram 634, seguida de Reino Unido (361), Brasil (350), França (326) e Alemanha (326). Na lista dos 10 países com maior número de notícias sobre o evento, constam ainda Áustria, Canadá, Itália e a Índia, cada uma com mais de 150 publicações.

Conforme o documento divulgado pela Cision, a cidade de Lisboa é citada em 8.195 notícias de meios de comunicação, em mais de 110 países devido ao evento. A edição da Web Summit deste ano, a terceira em Lisboa, ocorreu entre os dias 05 e 08 de novembro, somando 69.304 participantes de 159 países, cerca de 1.200 painelistas, mais de 1.500 investidores e 2.600 jornalistas.

A conferência tecnológica de inovação e empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010, na Irlanda, e mudou-se para Portugal em 2016. A mudança gerou um impacto econômico de mais €$500 milhões para o país lusófono.

Fonte: www.rtp.pt

Assine nossa Newsletter