Assessora jurídica da FENAERT palestra em workshop para radiodifusores em Porto Alegre

A assessora jurídica da Federação Nacional das Empresas de Rádio e Televisão (FENAERT), Patrícia Guimarães, participou, na última terça-feira (27), do Workshop Sindirádio, organizado pelo sindicato patronal gaúcho, a fim de esclarecer dúvidas sobre a nova legislação do radialista. O evento, que reuniu mais de 100 filiados, aconteceu no Hotel Deville Prime, em Porto Alegre.

PATRÍCIA GUIMARÃES

Patrícia Guimarães palestra em workshop em Porto Alegre/RS. Créditos: José Luiz da Rocha.

Com dinamismo e interação do público, Patrícia analisou o quadro anexo das funções dos radialistas, os cenários e impactos da alteração. “A mudança da própria tecnologia fez com que tivéssemos uma necessidade de adaptação sobre o método de fazer notícia. O quadro original possui uma série de funções que não são técnicas e especializadas da radiodifusão, existiam esses conflitos e os dois itens de mudanças levam em conta essas questões”, destacou Patrícia.

Além de Patrícia, o workshop também contou com painel do desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), Emílio Papaléo Zin, sobre o primeiro ano da Reforma Trabalhista. A mediação do evento ficou por conta dos jornalistas Tulio Milman e Paulo Sérgio Pinto.

Em assembleia, Fenaert elege diretoria executiva para novo mandato

Em assembleia realizada nesta segunda-feira, 26 de novembro, oito sindicatos que compõem a Federação Nacional das Empresas de Rádio e TV (FENAERT) elegeram por unanimidade a chapa que estará à frente da entidade pelos próximos dois anos. O encontro foi realizado na sede da Federação, em Brasília.

FERNANDO DIAS 03

Assembleia, realizada hoje, reconduz atual presidente ao cargo (Foto: Fernando Dias/ Divulgação).

O presidente da FENAERT, Guliver Augusto Leão, foi reconduzido ao cargo. “Vamos manter a linha de atuação frente ao segmento, representando as empresas de radiodifusão em pautas de interesse do setor”, afirma Leão.

Confira abaixo a chapa eleita.

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente Guliver Augusto Leão (GO)

Vice Presidente Edison José Biasin (SP)

1º Vice Presidente Secretário Valdirene Félix Pedrosa (MG)

2º Vice Presidente Secretário Jorge Henrique Maciel (RJ)

1º Vice Presidente Tesoureiro Carlos Henrique Agustini (PR)

2º Vice Presidente Tesoureiro Carlos Alberto Ross (SC)

CONSELHO FISCAL

Titulares

1º Ricardo José Zovico (SP)

2º Lucenir Nôleto Monteiro (DF)

3º Christina Alvarez Gadret (RS)

Suplentes

1º Fernando Araujo do Nascimento (PA)

2º Edmilson Bôaviagem A. Melo Junior (PE)

3º Ary Florêncio Cauduro dos Santos (RS)

Proposta proíbe terceirização de canais de rádio e TV do Rio Grande do Sul

Em meio ao processo de extinção da Fundação Piratini, que se arrasta desde 2016, um projeto do deputado estadual Luiz Fernando Mainardi (PT) que tramita na Assembleia Legislativa quer proibir a terceirização das atividades de canais públicos de rádio e televisão no Rio Grande do Sul. Em julho deste ano, o então presidente da fundação, Orestes de Andrade Júnior, cogitou conceder a operação das emissoras TVE e FM Cultura à iniciativa privada. 

TVE

Foto: SulBR TV / Divulgação

Conforme Orestes explicou na época, a empresa escolhida seria responsável, durante cinco anos, pela geração e transmissão do sinal da TVE e da FM Cultura, contratação de funcionários e produção de conteúdo local, com estúdios e equipamentos próprios. Entretanto, o projeto não foi levado adiante. Agora, a decisão deve recair sobre o governador eleito, Eduardo Leite (PSDB), que assume o Palácio Piratini a partir de 1 de janeiro de 2019.

Segundo a proposta de Mainardi, "não se considera como terceirização a veiculação de conteúdos de produção independente, sejam eles doados, comprados, permutados e/ou encomendados através de editais e/ou chamamentos públicos". Ou seja, não proíbe a terceirização da produção de conteúdo, mas a gestão das emissoras. 

Apesar disso, o texto diz, ainda, que o governo "poderá apoiar e implementar ações com a finalidade de qualificar as emissoras públicas, bem como desenvolver ações e programas de captação de recursos públicos ou privados".

Na justificativa do texto, Mainardi sustenta que as emissoras públicas desempenham um papel complementar à radiodifusão privada ou estatal, "constituem apoio fundamental à cultura, oportunizando um espaço diferenciado para a música, a literatura, o teatro, os audiovisuais, as artes de modo geral". 

"Sem as emissoras públicas de rádio e televisão, o sistema de mediação simbólica que rege as relações sociais, econômicas e políticas fica submetido exclusivamente às emissoras privadas", pondera Mainardi. "Os discursos de todos os setores ficam cativos da forma que lhes dá a radiodifusão privada", conforme o deputado, é a razão pela qual defende que as emissoras públicas atendam aos propósitos constitucionais, e que suas gestões, bem como a exploração de suas outorgas, devam permanecer integralmente sob o controle e administração do poder público.

O ex-presidente da fundação sustentou, à época, que a entrega da produção de conteúdo à iniciativa privada não alteraria o caráter público das emissoras, pois a produtora não teria "abertura para modificar a programação. Quem vai definir o conteúdo é a Secretaria de Comunicação, com a aprovação e a fiscalização do conselho consultivo, formado por 11 entidades ligadas à comunicação e à cultura". A extinção da Fundação Piratini foi oficializada em maio. Mas, sem uma solução para a produção do conteúdo e o destino dos servidores, as atividades seguem desempenhadas pelo quadro da FM Cultura e da TVE.

Fonte: www.jornaldocomercio.com

Associações criticam decisão de juiz de proibir TV Globo de divulgar conteúdo de inquérito

A Associação Brasileira de Imprensa, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão e a Associação Internacional de Radiodifusão divulgaram notas criticando a decisão do juiz Gustavo Gomes Kallil, da 4ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, de proibir a TV Globo de divulgar informações sobre o inquérito policial que apura o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Para a ABI e a Abert, a decisão fere a liberdade de imprensa, viola o artigo 5º da Constituição e representa condenável ato de censura prévia. E a Associação Internacional de Radiodifusão exorta o Poder Judiciário a revisar a decisão e, assim, garantir os direitos fundamentais no Brasil.

A TV Globo, seguindo seus princípios editoriais, publicou duas reportagens com base no inquérito, sem revelar testemunhas nem nada que pudesse prejudicar as investigações e, como anunciou no sábado (17), vai recorrer da decisão.

Fonte: g1.globo.com

Transamérica chega aos 40 anos em operação no Rio de Janeiro

A Transamérica FM 101.3 do Rio de Janeiro completou 40 anos na capital fluminense. Em sua história, os estúdios da Transamérica foram palco para o lançamento de várias bandas e músicos que lá gravavam seus álbuns, incluindo Skank, Lulu Santos, Roberto Carlos, Paul Simon, Kid Abelha, Tim Maia, entre outros.

Hoje, a programação mantém sua essência, mas se adaptou para continuar junto de seus ouvintes. Além do Pop/Rock, outros estilos ganharam espaço como o Hip Hop, Black Music, Eletrônico, Dance e Funk. A emissora também conta com uma equipe esportiva que transmite os jogos das equipes cariocas nos principais campeonatos de futebol.

1

Além disso, a rádio também sempre desenvolveu ações especiais. Um dos principais projetos especiais ao longo do ano acontece num dos maiores espetáculos do mundo. Durante o período carnavalesco, a emissora vai para a avenida, mostrando tudo sobre os bastidores, incluindo entrevistas com sambistas, diretores de escola, compositores, celebridades e artistas presentes na festa popular. 

A cobertura envolve uma cabine no sambódromo e um espaço exclusivo num dos maiores camarotes da Marquês de Sapucaí para ações de relacionamento. O mesmo acontece com o futebol, pois a Transamérica está presente no Maracanã. A marca da emissora está presente no tour oficial do estádio e ações de relacionamento com clientes e parceiros acontecem no camarote, nos principais jogos.

A Transamérica do Rio de Janeiro surgiu alguns anos após a estreia da Transamérica FM 92.7 do Recife, emissora que este ano completou 45 anos e é a pioneira da rede. Atualmente a Rede Transamérica conta com dezenas de afiliadas com as portadoras nos segmentos Pop, Hits e Light.

Fonte: tudoradio.com

Web Summit 2018 gera mais de seis mil notícias em Portugal

Um estudo divulgado hoje pela consultora de comunicação Cision registrou mais de 6 mil notícias publicações relacionadas a Web Summit 2018, conferência de tecnologia realizada anualmente desde 2009, realizada na última semana em Lisboa, Portugal. De acordo com o documento, a maioria das notícias foi publicada na internet (4.312), seguido de televisão (936), meios impressos (520) e rádio (287), totalizando 6.055 artigos. O estudo analisou as referências ao evento e a cidade-sede em mais de 2.000 meios de comunicação portugueses (televisão, rádio, imprensa e online) e em 120 mil portais de outros 190 países, entre os dias 01 de outubro e 09 de novembro.

WEB SUMMIT

Web Summit 2018 (Filipe Amorim / Global Imagens).

"Nas televisões nacionais, a Web Summit ocupou cerca de 53 horas de tempo de antena, somadas a mais de 12 horas e meia de emissão no rádio", informa a portuguesa Cision em comunicado. Das notícias divulgadas no exterior que constaram na análise, a maior parte vem dos Estados Unidos, totalizando 2.769. Na Espanha foram 634, seguida de Reino Unido (361), Brasil (350), França (326) e Alemanha (326). Na lista dos 10 países com maior número de notícias sobre o evento, constam ainda Áustria, Canadá, Itália e a Índia, cada uma com mais de 150 publicações.

Conforme o documento divulgado pela Cision, a cidade de Lisboa é citada em 8.195 notícias de meios de comunicação, em mais de 110 países devido ao evento. A edição da Web Summit deste ano, a terceira em Lisboa, ocorreu entre os dias 05 e 08 de novembro, somando 69.304 participantes de 159 países, cerca de 1.200 painelistas, mais de 1.500 investidores e 2.600 jornalistas.

A conferência tecnológica de inovação e empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010, na Irlanda, e mudou-se para Portugal em 2016. A mudança gerou um impacto econômico de mais €$500 milhões para o país lusófono.

Fonte: www.rtp.pt

Web Summit 2018 gerou mais de seis mil notícias em Portugal

Um estudo divulgado hoje pela consultora de comunicação Cision registrou mais de 6 mil notícias publicações relacionadas a Web Summit 2018, conferência de tecnologia realizada anualmente desde 2009, realizada na última semana em Lisboa, Portugal. De acordo com o documento, a maioria das notícias foi publicada na internet (4.312), seguido de televisão (936), meios impressos (520) e rádio (287). O estudo analisou as referências ao evento e a cidade-sede em mais de 2.000 meios de comunicação portugueses (televisão, rádio, imprensa e online) e em 120 mil portais de outros 190 países, entre os dias 01 de outubro e 09 de novembro.

WEB SUMMIT

Web Summit 2018 (Filipe Amorim / Global Imagens).

"Nas televisões nacionais, a Web Summit ocupou cerca de 53 horas de tempo de antena, somadas a mais de 12 horas e meia de emissão no rádio", informa a portuguesa Cision em comunicado. Das notícias divulgadas no exterior que constaram na análise, a maior parte vem dos Estados Unidos, totalizando 2.769. Na Espanha foram 634, seguida de Reino Unido (361), Brasil (350), França (326) e Alemanha (326). Na lista dos 10 países com maior número de notícias sobre o evento, constam ainda Áustria, Canadá, Itália e a Índia, cada uma com mais de 150 publicações.

Conforme o documento divulgado pela Cision, a cidade de Lisboa é citada em 8.195 notícias de meios de comunicação, em mais de 110 países devido ao evento. A edição da Web Summit deste ano, a terceira em Lisboa, ocorreu entre os dias 05 e 08 de novembro, somando 69.304 participantes de 159 países, cerca de 1.200 painelistas, mais de 1.500 investidores e 2.600 jornalistas.

A conferência tecnológica de inovação e empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010, na Irlanda, e mudou-se para Portugal em 2016. A mudança gerou um impacto econômico de mais €$500 milhões para o país lusófono.

Fonte: www.rtp.pt

Grupo Zahran conclui negociação para aquisição de emissoras do Grupo Jaime Câmara

O Grupo Zahran - conglomerado de comunicação mato-grossense que controla a Centro América Easy FM 99.1 de Cuiabá, a rede Centro América FM e a TV Centro América (afiliada da Rede Globo) – concluiu a negociação para a aquisição do Grupo Jaime Câmara. Com isso, o grupo vai assumir o controle da TV Anhanguera (que também é afiliada da Rede Globo em Goiás e no Tocantins) e FMs nestes estados, e em Brasília.

De acordo com as informações levantadas pela redação pelo tudoradio.com, já houve a conclusão do acordo entre os grupos. A previsão é de que o Grupo Zahran assuma o controle a partir do início de dezembro. Com o fechamento do negócio, o grupo passa a tornar um dos maiores conglomerados de comunicação do Centro-Oeste.

As auditorias e diligências foram concluídas. Só falta mesmo assumir o comando. “Não haverá recuo”, afirma uma fonte. “A Globo considera que o Grupo Jaime Câmara, da família Câmara, está definitivamente fora de seus negócios”, acrescenta.

Entre as rádios, o Grupo Zahran controla a Centro América Easy FM, além das rádios da rede Centro América, que estão em Sorriso (89.3FM), Aragarças (99.9 FM), Rondonópolis (101.5 FM) e Cáceres (103.1 FM).

Com a nova aquisição, o grupo passa a ter o controle também das seguintes rádios que estavam sob o comando do Grupo Jaime Câmara:

Goiânia
CBN FM 97.1
Rádio Daqui AM 1230
Executiva FM 92.7

Brasília
Rádio Globo FM 101.7

Palmas - Porto Nacional 
CBN FM 101.9

Araguaína
CBN FM 106.3
Araguaia FM 99.7

Gurupi
Araguaia FM 96.7

Fonte: tudoradio.com

Fenaert esclarece dúvidas sobre lei do radialista em Goiânia

Na manhã da última quarta-feira, a Federação Nacional das Empresas de Rádio e Televisão (FENAERT) participou do Seminário Nova Regulamentação da Lei dos Radialistas, promovido pelo Sindicato das Empresas de Radio e Televisão do Estado de Goiás (SERT/GO). A atividade foi ministrada pelo presidente da entidade, Guliver Augusto Leão, e pela assessora jurídica da FENAERT, Patrícia Guimarães, a fim de esclarecer possíveis dúvidas sobre a nova legislação do radialista, em vigor desde abril.

DESTAQUE

Presidente da FENAERT, Guliver Augusto Leão. Crédito: Fábio Lima.

Mesclando exposição e oratória, o painel apresentou, para cerca de setenta pessoas, as mudanças da regulamentação da profissão de radialista, decorrentes do Decreto 9.329/2018. “A legislação que vigorava anteriormente datava de 1978, algo completamente ultrapassado. A mudança é um avanço para todo setor da radiodifusão e gostamos de eventos como este, onde vemos a satisfação dos radiodifusores com a nova regulamentação”, afirma Guliver.

Para Patrícia, um dos principais aspectos do seminário é o esclarecimento de dúvidas que ainda persistem. “Os participantes questionaram, principalmente, sobre a aplicação da legislação para contratos de trabalho vigentes e futuros, acúmulo de função e jornada de trabalho. A legislação anterior tratava de funções que nem existem mais. Com a atualização, as empresas podem atuar dentro da realidade, do dia a dia, de uma forma muito mais verdadeira. As empresas estão com uma perspectiva muito positiva quanto a novas possibilidades de trabalho que a nova legislação criou”, finaliza.

ANEXO 1

 Assessora jurídica da FENAERT, Patrícia Guimarães. Crédito: Fábio Lima.

ANEXO 2

Crédito: Fábio Lima.

 

Órgão consultivo do Senado rejeita três projetos ligados às rádios comunitárias

Por sete votos a quatro, o Conselho de Comunicação Social, órgão consultivo do Senado, rejeitou três projetos ligados a área de radiodifusão comunitária. Uma das propostas, encabeçada pelo senador Donizeti Nogueira (PT-TO), prevê que as Rádios Comunitárias recebam uma autorização para captar publicidade comercial. As outras duas propostas são do senador Hélio José (PROS-DF). Uma prevê a permissão para ampliar a potência das rádios comunitárias e a outra isentaria essas rádios da cobrança de direitos autorais realizada pelo ECAD.

A conselheira Tereza Mondino apresentou um parecer contrário aos três projetos. Em relação ao aumento da potência das rádios comunitárias a conselheira afirmou que isso descaracterizaria essas emissoras: “aumento de potência proposto ensejaria um aumento expressivo da cobertura de estação de rádio comunitária igualando-a de uma estação comercial de classe C”.

A decisão do órgão não tem o poder de encerrar os projetos que tramitam no Senado, mas serve de parâmetro técnico para eventual discussão entre os senadores.

O parecer do Conselho agora será remetido ao presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira. Em seguida, o senador encaminha as conclusões para as comissões que estão analisando os três projetos, no Senado e na Câmara dos Deputados.

*Informações do repórter Afonso Marangoni.

Fonte: jovempan.uol.com.br

Assine nossa Newsletter