2018-Fenaert-Banner

Grupo RBS desliga Rádio Rural AM e devolve estação ao governo federal

Após ficar por cerca de duas semanas fora do ar, a Rádio Rural AM 1120 de Porto Alegre teve seu fim decretado pelo Grupo RBS. De acordo com as informações do Coletiva.net, a concessão da emissora será devolvida ao governo federal, assim como ocorreu com as rádios AMs do Sistema Globo de Rádio.

A informação do desligamento da Rádio Rural foi veiculada pelo Mapa da Atualização do tudoradio.com do dia 15. A redação do portal entrou em contato com a assessoria de imprensa do grupo RBS questionando a saída do ar, porém, não houve resposta.

A informação da entrega do canal da emissora ao governo federal foi publicada pelo Coletiva.net. Segundo o grupo, não havia sentido estratégico na migração do canal para o dial FM. A emissora foi fundada em 1999, quando operava junto com o Canal Rural, que, na época, fazia parte da organização de mídia. 

Em 2013, após a venda da TV, a rádio deixou de ter locutores - que foram absorvidos por outros veículos da empresa - e passou a tocar apenas músicas, rodando em piloto automático. De acordo com o grupo, a programação da emissora foi redistribuída para as FM da RBS.

Serra Gaúcha também terá novidades no dial FM

A região da Serra Gaúcha também está apresentando novidades no dial. Após um ano de operação, a Tua Rádio São Francisco FM 88.1 de Garibaldi voltará a transmitir a programação da Maisnova FM. A mudança será efetivada no dia 25 e a Tua Rádio ficará restrita aos 560 AM.

Outra novidade é o inicio das operações da Serrana FM 106.1 de Garibaldi. A emissora, controlada pelo Grupo RSCOM, é uma concessão nova na cidade e tem estreia prevista para o dia 31 (aniversário de Garibaldi). A nova rádio deve operar com sua grade totalmente local.

Fonte: tudoradio.com

Temer endossa nome de Moises Queiroz Moreira para a Anatel, diz Kassab

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou na última segunda-feira, 15, durante a abertura do Futurecom, que o presidente Michel Temer endossou o nome do atual secretário de Radiodifusão, Moises Queiroz, para presidir a Agência Nacional de Telecomunicações, Anatel.

Moises-Moreira-secretario-de-Radiodifusao

Moises Moreira, Secretário de Radiodifusao. Crédito: Tele Síntese/Divulgação

Kassab disse que a urgência na indicação do nome para a agência reguladora, a ser encaminhado ao Senado Federal pelo presidente Temer ainda neste governo, se deve ao fato de que o mandato do atual presidente, Juarez Quadros, se encerra no próximo dia 4 de novembro. “Juarez Quadros foi convidado a permanecer, mas não aceitou, e sua saída já tinha sido acertada desde o ano passado”, disse o ministro.

No mercado de telecomunicações havia  informações de que o presidente Temer poderia não indicar o nome sugerido por Kassab, mas apontar para a vaga o  atual ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Fonte: www.telesintese.com.br

Cabo submarino que liga Angola e Brasil pronto a ser comercializado

A Angola Cables e a NEC Corporation anunciaram, nesta segunda-feira, que a construção do primeiro sistema de cabos submarinos a cruzar o Sul do Atlântico foi concluída e que está tudo pronto para dar início ao serviço comercial. As informações são do Jornal Econômico, de Lisboa.

O Sistema de Cabo Submarino do Sul do Atlântico (SACS) conecta Angola e Brasil, ligando diretamente e pela primeira vez, o continente africano à América Latina pelo Sul do Atlântico, permitindo transmissões internacionais de dados de alta velocidade e grande capacidade, estimulando o comércio e o crescimento econômico em ambas as regiões.

O SACS é 100% detido pela Angola Cables que, em parceria com investidores locais, também detêm, majoritariamente, o centro de dados em Fortaleza. A Angola Cables opera o SACS, o centro de dados de Fortaleza e a Angonap. Desta forma, a Angola Cables irá permitir ligar Angola e África diretamente com o Brasil e os EUA, através do SACS e de outro cabo, aumentando a conectividade existente entre África e os Estados Unidos (EUA), que até agora se processava através da Europa.

O SACS foi parcialmente financiado pelo Banco do Japão para a Cooperação Internacional (JBIC), através de um empréstimo por crédito ao comprador efetuado ao Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), o banco estatal para o desenvolvimento de Angola. O empréstimo foi cofinanciado pela Sumitomo Mitsui Banking Corporation (SMBC), tendo a Nippon Export and Investment Insurance (NEXI) fornecido um seguro para a parte financiada pelo SMBC.

Sobre esta nova ligação, António Nunes, CEO da Angola Cables, afirmou, em comunicado, que a ambição da operadora é transportar pacotes de dados da América do Sul e Ásia através do hub africano utilizando o SACS e, juntamente com o Monet e o WACS, fornecer mais uma eficiente opção de conetividade direta entre a América do Norte, Central e do Sul com a África, Europa e Ásia. “Ao desenvolver e conectar ecossistemas que permitem que o tráfego IP local seja enviado e recebido local e regionalmente, a eficiência das redes que fornecem o Hemisfério Sul pode ser amplamente melhorada”, reforça o responsável.

Com o objetivo de dar resposta para a crescente procura de tráfego de banda larga, móvel, radiodifusão e empresarial que cruza o Sul do Atlântico, o SACS irá contar com tecnologias de transmissão óptica por quatro pares de fibra de alta qualidade, com capacidade inicial de 40Tb/s. O sistema de cabos SACS vai ter amarração na estação terrestre de cabo de Sangano, em Angola, perto da capital, Luanda, e irá fornecer conetividade ao centro de dados Angonap. No Brasil, o SACS terá amarração diretamente em um centro de dados recém-construído para o SACS e para um outro sistema de cabos que irá ligar o Brasil aos EUA.

Fonte: jornaleconomico.sapo.pt

WhatsApp e Facebook contam com campanhas no Rádio contra o compartilhamento de noticias falsas

Está cada vez mais frequente a presença de grandes nomes da chamada "nova economia" em anúncios veiculados pelo rádio. Com diferentes objetivos (campanhas sociais e peças publicitárias), essas empresas buscam as rádios brasileiras para ampliar o alcance de suas mensagens, assim como suas frequências. Nos últimos dias o Facebook entrou na lista das empresas de tecnologia que recorreram ao rádio, através de campanhas contra noticias falsas, material assinado pela própria rede social e também pelo WhatsApp.

O material assinado pelo Facebook e pelo WhatsApp busca conscientizar os seus usuários durante o período eleitoral, na tentativa de diminuir os impactados causados por boatos e notícias falsas. Nas peças do Facebook, a plataforma informa em 30 segundos as ferramentas que a rede social disponibiliza para que os usuários conheçam mais sobre os candidatos e tenham acessos a notícias comprovadas sobre cada um deles.

Já as peças assinadas pelo WhatsApp, este que pertence ao Facebook, a campanha procura orientar o usuário na identificação de possíveis boatos ou notícias falsas. Detalhes como a informação de "mensagem encaminhada", práticas como busca de comprovação da notícia através de sites/veículos confiáveis e até para que o usuário avise quem enviou a mensagem sobre a possibilidade daquele conteúdo ser boato ou uma notícia falsa.

Na campanha do WhatsApp a plataforma assina com o slogan “Compartilhe fatos, não boatos”, frase seguida pelo nome da ferramenta. As peças foram percebidas em rádios de grande audiência nas praças de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, entre outras, estações de diferentes formatos de programação. 

As campanhas foram divididas entre as agências Mullen Lowe e a Wieden Kennedy, com faturamentos vindos da sede em Dublin (Irlanda) e também da Califórnia (em relação ao WhatsApp). Elas ficarão no ar até o próximo dia 26.

Vale lembrar que o Facebook também é anunciante de rádio para promover outras de suas ferramentas, como o Facebook Marketplace.

5bbe82ed1ff41

WhatsApp é controlado e desenvolvido desde 2014 pelo Facebook

Tecnologia no rádio

O Facebook não é o único representante da "nova economia" que utiliza o rádio para ampliar o alcance de suas campanhas e essa prática não é nova, mas está avançando. A Uber, prestadora de serviços eletrônicos na área do transporte privado urbano, conta com uma forte presença publicitária nos intervalos comerciais de rádios que estão nos principais mercados do país. Fato que fez concorrentes como a 99 ampliarem sua presença no veículo. Outra empresa de transporte via aplicativo que aposta no rádio é a Lady Driver de São Paulo. 

Com a intenção de ampliar a sua presença no Brasil, a Amazon Prime Video (streaming de vídeo) também apostou no rádio para promover os seus produtos, com destaque para a série Jack Ryan (lançada em agosto passado). 

Netflix e o próprio Google (mais recentemente com as frentes Google Cloud e Google Meu Negócio) também já contaram com campanhas no rádio, assim como BuscaPé, OLX, Decolar.com, entre outras marcas digitais, são anunciantes regulares de rádio.

O segredo é distribuir

Todas essas plataformas contam com anúncios em rádio, na própria internet (desktop, sites mobiles e aplicativos - via mídia programática), outdoors (mídia externa - de rua), entre outros formatos. Pesquisas realizadas no Estados Unidos apontam a grande necessidade de se distribuir campanhas em diferentes ambientes, tendo o rádio como um grande impulsionador na frequência e no alcance desses anúncios.

Fonte: tudoradio.com

Assine nossa Newsletter