2018-Fenaert-Banner

Grupo Bandeirantes e China Media Group fecham acordo de cooperação

Nesta segunda-feira, 11 de novembro, o Grupo Bandeirantes de Comunicação e o China Media Group assinaram um acordo de cooperação que prevê produções conjuntas e o compartilhamento de conteúdo, promovendo assim o desenvolvimento das relações entre os países. O evento para firmar a parceria foi realizado na sede do Grupo Bandeirantes no Morumbi, em São Paulo.

Com o acordo, os grupos farão trocas e cooperação de programas e matérias e ainda coberturas jornalísticas conjuntas. Além do conteúdo noticioso, está prevista ainda a cooperação em produtos de entretenimento e intercâmbio de tecnologias de rádio e televisão. O acordo foi assinado pelos presidentes do Grupo Bandeirantes, João Carlos Saad, e do China Media Group, Shen Haixiong.O grupo chinês reúne os principais veículos de comunicação chineses, como a rede de televisão aberta CCTV e o canal internacional de notícias CGTN.

O governador de São Paulo, João Doria, também esteve presente, e fez um discurso destacando a proximidade do estado com a China, ressaltando que o país tem mais de 200 empresas sediadas em São Paulo. Também estiveram presentes a Cônsul-Geral da China Dra. Chen Peijie, o presidente da FIESP Paulo Skaf, o ex-ministro e embaixador Sergio Amaral, o Deputado Federal Fausto Pinato (Presidente da Frente parlamentar Brasil-China), além de empresários brasileiros e chineses.

No encontro, foram apresentados os projetos "Frases Clássicas Citadas pelo Presidente Xi Jinping", série produzida pelo China Media Group que será exibida esta semana pelos canais BandNews TV e Arte 1, e a coluna de notícias "Mundo China", coprodução entre o China Media Group e o Grupo Bandeirantes, que terá exibição diária no BandNews TV.

Fonte: Tela Viva

Programa de treinamento gratuito em checagem de fatos abre inscrições a partir de amanhã

Jornalistas e estudantes de todo o Brasil poderão participar do programa gratuito de treinamento em produção de conteúdo e técnicas de fact-checking. O FactCheckLab é uma realização da Agência Lupa com o patrocínio da Embaixada e Consulados Americanos no Brasil.

Além da capacitação, a iniciativa vai premiar os vencedores dos cinco projetos destaque, um de cada região do país, com uma viagem de intercâmbio profissional aos Estados Unidos com as despesas pagas.

Quem pode participar
Os interessados deverão preencher um formulário com dados gerais. Será necessário também escrever uma proposta de conteúdo jornalístico com uso da modalidade fact-checking, como forma de resolver algum problema da comunidade ou região em que residem.

No decorrer do programa, que terá duração de nove meses, os participantes serão orientados a transformarem as suas propostas iniciais em projetos mais elaborados e financeiramente sustentáveis.

Por conta da viagem de intercâmbio, é recomendável falar inglês, mas não é necessário o domínio da língua para participar do programa.

Os treinamentos
Os treinamentos serão online em grupos fechados no Facebook e também presenciais, nas seguintes capitais: Rio de Janeiro-RJ (região sudeste), Porto Alegre-RS (região sul), Salvador-BA (região nordeste), Brasília-DF (região centro-oeste) e Manaus-AM (região norte). O programa disponibilizará uma ajuda de custo de deslocamento e hospedagem aos aprovados para a etapa presencial.

As inscrições
As inscrições estarão liberadas a partir do próximo dia 14 de novembro, às 18h (horário de Brasília), e serão encerradas no dia 22 de novembro, às 23h59 ou até o limite de 200 inscrições por região.

Nessa primeira fase, trinta propostas de cada região serão selecionadas. Em janeiro de 2020, esses candidatos passarão pela primeira etapa de capacitação. A partir daí, terão um prazo estipulado pela Agência Lupa para escreverem um pré-projeto com base na proposta inicial.

Os vencedores dos vinte melhores pré-projetos de cada região seguirão de fato no programa. Os outros dez jornalistas e estudantes de cada região não contemplados vão compor uma lista de espera, caso algum participante desista do programa ou seja desclassificado.

As inscrições estarão disponíveis aqui.

Fonte: Portal Imprensa

Crise política boliviana eleva casos de violência contra a imprensa no país

A crise política boliviana também está atingindo de forma violenta profissionais e órgãos de imprensa do país. Desde a escalada de tensão e protestos nas principais cidades da Bolívia, uma série de imagens e notícias de violência contra jornalistas que atuam no país está circulando nas redes sociais.

Na noite de domingo, 10, jornalistas da Televisión Universitaria anunciaram ao vivo que receberam ameaças e que se viam obrigados a encerrar a transmissão em nome da segurança pessoal.

Uma das mais tradicionais da Bolívia, a Agencia Fides informou, também na noite de domingo, que Mery Vaca, sub-editora do Página Siete, jornal sediado em La Paz e fundado em 2010, havia acabado de anunciar que o diário não circularia nesta segunda, 11, também em função de ameaças e preservação da segurança.

Porém, o caso de ameaça contra profissionais de imprensa bolivianos mais visto este fim de semana foi provavelmente o da invasão (no sábado, 9, por opositores de Evo Morales) a dois meios de comunicação ligados ao movimento sindical: a emissora Bolívia TV e a rádio Pátria.

Fonte: Portal Imprensa

Emissoras de rádio e TV devem enviar declaração de composição societária até 31 de dezembro

Até 31 de dezembro, último dia útil do ano, todas as concessionárias e permissionárias dos serviços de rádio e TV deverão enviar ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) a declaração com a composição de capital social.

A apresentação do documento é obrigatória também junto aos órgãos de registro comercial ou de registro civil de pessoas jurídicas.

Um modelo de declaração está disponível para preenchimento no site da ABERT, na área dos serviços jurídicos (Declaração Anual do Capital Social).

A ABERT esclarece que o MCTIC não recebe documento físico (papel) e as declarações não devem ser enviadas para a Associação. O peticionamento junto ao MCTIC deve ser feito eletronicamente, pela própria emissora, por meio do Sistema Eletrônico de Informações - SEI. Já no caso dos órgãos de registro, a forma de envio depende de cada localidade.

A não apresentação do documento pode resultar em instauração de processo e aplicação de penalidades.

Fonte: Abert

Assine nossa Newsletter