2020-02-Banner-Capa

Maioria dos consumidores esperam que o conteúdo de áudio seja sempre gratuito. Situação potencializa anúncios

Um relatório da Nielsen apontou um cenário que já era uma impressão do mercado de rádio. O consumidor de áudio é mais avesso à cobrança pelo acesso a esse tipo de conteúdo, diferente da maior aceitação ocorrida no consumo de vídeo. Isso ocorre pelo fato do áudio ser uma ferramenta que sempre esteve disponível de forma ampla e gratuita. Apesar desse cenário ser mais desafiador para a criação de novas plataformas de áudio, a Nielsen aponta que isso pode ser uma oportunidade atraente para anúncios. 

A Nielsen realizou uma pesquisa especial nos Estados Unidos que apontou o sentimento do público perante as plataformas de streaming. Foi apontado que, no mundo dos vídeos, "a grande maioria dos usuários desse tipo de mídia (mais de 90%) assina pelo menos um serviço de streaming pago", afirma a Nielsen.

Porém, quando o assunto é áudio, mais da metade procura por acesso gratuito (53%), enquanto 27% assinam um tipo de serviço de áudio (não necessariamente pago) e 20% acessam conteúdo das duas maneiras.

Desses 53% que acessam áudio gratuitamente, eles utilizam ferramentas que contam com anúncios, sejam aqueles em formato programático (como as publicidades automáticas no streaming), como também o intervalo comercial (no caso de rádio ao vivo via streaming).

"Os consumidores sempre tiveram acesso a entretenimento de áudio gratuito, por isso não é surpresa que os americanos sejam mais relutantes em pagar por isso. Independentemente de como ouvimos, os consumidores esperam que os serviços de streaming de música e o rádio sejam gratuitos e disponíveis, e essa é uma diferença impressionante do setor de streaming de vídeo, onde os provedores de conteúdo estão segregando programas distintos em serviços específicos, como forma de atrair assinantes", destaca a Nielsen em seu relatório.

 Impacto do Rádio e o interesse do mercado

O próprio rádio (FM/AM) tem um papel fundamental nesse comportamento, segundo a Nielsen. Desde o surgimento desse formato de mídia em áudio, o acesso gratuito sempre foi suportado por anúncios, sendo algo padrão e suportado pelo público. E isso não parece arrefecer: a Nielsen lembra que o rádio, que é a principal plataforma de áudio, segue atingindo 92% dos adultos norte-americanos a cada semana.

Isso tem chamado a atenção das grandes marcas, segundo a Nielsen. A publicidade está atenta ao perfil e a força do áudio, procurando soluções de anúncios baseadas em áudio. Essas marcas sabem que o alcance oferecido pelo rádio e pelo áudio é importante: "é um componente fundamental de campanhas publicitárias bem-sucedidas e um ingrediente necessário para gerar conscientização e mover produtos da prateleira", afirma o relatório da Nielsen.

Segundo a Nielsen, o áudio gratuito suportado por anúncios, falando especificamente o veículo rádio, "oferece uma oportunidade atraente para alcançar os consumidores em massa no mundo altamente fragmentado e louco por streaming de hoje", afirma o relatório, que complementa dizendo que "o áudio oferece uma experiência única e íntima para os ouvintes e os anunciantes que desejam alcançá-los".

Por mais que o streaming de vídeo tende a dominar a pauta das tendências tecnológicas e em chamadas relacionadas ao planejamento de marketing das empresas, o áudio também está crescimento de forma rápida como "um elemento básico no consumo de mídia dos consumidores norte-americanos", alerta a Nielsen.

Ganho ilimitado?

A Nielsen aponta ainda que o modelo gratuito com anúncios tem uma vantagem de ganho ilimitado perante outros modelos de negócio. "Em algum momento, até o modelo de assinatura mais bem-sucedido enfrentará desafios de crescimento à medida que seus pools de assinantes se enchem. Esse não é o caso do modelo suportado por anúncios", alerta o instituto. 

O relatório termina afirmando que entende que é "tentador ficar envolvido na alarde dos mais recentes serviços de vídeo por assinatura", mas destaca que "no mundo do áudio, o foco para emissoras, podcasters e criadores é inalterado: desenvolva conteúdo de qualidade que mantenha o público voltando independentemente da plataforma ou modelo de anúncio - assim como tem sido desde o início do rádio", conclui a Nielsen.

 

Para um faturamento maior…

Recentemente o tudoradio.com publicou uma matéria que aponta a manutenção da gratuidade de conteúdos de áudio como o podcast representam um desafio ao setor.  Por exemplo: as receitas globais de podcasts podem superar a marca de US$ 3,3 bilhões em 2025, caso o ritmo atual de crescimento seja mantido. Porém a Deloitte observa que para alcançar esse volume é preciso que ocorra um avanço internacional da plataforma, além de um modelo de monetização mais aprimorado.

 

Fonte: Tudo Rádio

Assine nossa Newsletter